Restos de Colecção: Esplanada e Garagem Monumental

14 de outubro de 2018

Esplanada e Garagem Monumental

O conjunto "Esplanada Monumental", e “Garagem Monumental”, propriedade da firma “Garagem Monumental, Lda.” foi inaugurado, em 7 de Maio de 1931 pelo Presidente da República General Óscar Fragoso de Carmona, na Avenida Álvares Cabral, em Lisboa.

“Esplanada Monumental” com a “Garagem Monumental” a seu lado com fachada em ferro

Esplanada Monumental (04-06-1932).1

A propósito o jornal “Diario de Lisbôa” noticiava:

«Inaugura-se amanhã, na Avenida Alvares Cabral, a Esplanada Monumental, um novo cinema ao ar livre, instalado num majestoso edifício devido ao traço do distinto arquitecto sr. Raul Martins. Lisboa fica contando, pois, a partir de amanhã, com uma nova casa de espectaculos, que se inaugura com a exibição do celebre filme "Caçador de Imagens".»

No dia seguinte, o mesmo jornal, prosseguia ...

«Com a assistencia do sr. Presidente da Republica, foi ontem inaugurada a Esplanada Monumental, que fica explorando cinema ao ar livre e concêrtos musicais.
O majestoso edificio, na Avenida Alvares Cabral, esteve fartamente concorrido, sendo todos unanimes em elogiar as suas magnificas instalações.»

Este conjunto modernista, com motivos de art déco na fachada, foi projectado, pelo arquitecto Raúl Martins (1892-1934) - que já tinha projectado o primeiro “Cinema Europa” inaugurado em 14 de Fevereiro de 1931 - e promovido pelo construtor civil tomarense Clemente Vicente, e que incluía a "Garagem Monumental", esplanada com Cinema ao ar livre na cobertura do edifício, sala para festas, bailes e exposições, sala de bilhar e uma "fonte monumental".

Esplanada com cinema ao ar livre e cabine de projecção ao fundo

                                  Salão de festas, bailes e exposições                                      Cartaz em 13 de Junho de 1931

 

                      11 de Junho de 1931                                                               31 de Dezembro de 1931

 

A “Esplanada Monumental”, encerraria no primeiro semestre de 1932 para adaptação à projecção de filmes sonoros, para a qual adquiriu o sistema “Tobis Klangfilm”, e reabriria em 4 de Junho de 1932, sob a nova designação de “Esplanada Alvares Cabral”.

  

Última aparição da “Esplanada Alvares Cabral” no “Cartaz” do “Diario de Lisbôa” em 8 de Dezembro de 1932

Menos de um ano depois, e depois de reformulada, ampliada e coberta o piso de cinema ao ar livre, a “Esplanada Álvares Cabral”, e sob a nova designação de “Jardim-Cinema”, reabria em 22 de Maio de 1933. Foi escolhido para a inauguração o filme “Pernas ao Ar “. Com uma nova sala coberta e com capacidade para 894 espectadores, tornava-se numa das maiores salas de cinema de Lisboa. No final da década de 30 do século XX a sua capacidade viria a ser reduzida para 705 lugares.

Conjunto “Jardim Cinema” e “Garagem Monumental”, dentro da elipse desenhada

Nova sala de cinema “Jardim Cinema”, resultado da cobertura da esplanada

Quanto à restante história ilustrada do “Jardim Cinema”, consultar, neste blog, o seguinte link: “Jardim Cinema”.

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian (Estúdio Mário Novais)

2 comentários:

Anónimo disse...

Fartava-me de ir aí em adolescente! Não morava longe e os filmes de "reprise", como então se dizia, não eram maus de todo. Segundo me contavam, de casa dos meus avós via-se o clarão, e por vezes o som, dos filmes que passavam quando o cinema ainda era ao ar livre! E as cadeiras de palhinha originais mantiveram-se anos 70 fora. Nelas me sentei.
Cumprimentos
Gonçalo

Pedro disse...

O famoso "Palhinhas" ou "Vergas", assim chamado pelo material com que eram feitas as cadeiras do cinema.
Já só conheci o salão de jogos, onde bem escondidas no 1º andar, ainda se podiam ver amontoadas algumas dessas cadeiras. Estudei lá perto e de quando em vez, lá se ia jogar um snooker ou uma matraquilhada.