5 de julho de 2018

Sociedade Propaganda de Portugal

A “Sociedade Propaganda de Portugal”, também designada como o “Touring Club de Portugal”, foi fundada em 28 de Fevereiro de 1906, no segundo andar do prédio da Rua Nova do Almada esquina com a Rua Garrett, e cujos objectivos eram «promover, pela sua acção própria, pela intervenção junto dos poderes públicos e administrações locais, pela colaboração com este e com todas as forças vivas da nação, e pelas relações internacionais que possa estabelecer, o desenvolvimento intelectual, moral e material do país e, principalmente, esforçar-se por que ele seja visitado e amado por nacionais e estrangeiros». As suas instalações mudariam, em 1908, para a Rua Garrett, 103-2º junto ao Largo do Chiado, vindo as primeiras a ser ocupadas pela “Luzitana-Companhia de Seguros”, fundada em 24 de Julho de 1907.

Sede da “Sociedade Propaganda de Portugal”, em 1906 e 1907

Leonildo de Mendonça e Costa, fundador e director da revista “Gazeta dos Caminhos de Ferro”, cujo primeiro numero foi publicado em 15 de Março de 1888,  teve um papel fundamental na criação desta Sociedade. As várias viagens que fizera pelo estrangeiro, e que lhe permitiram contactar com as iniciativas que nos vários países se iam desenvolvendo em prol do turismo, foram o gérmen de tal ideia que, em 1899, expressou numa carta que dirigiu a Alfredo da Cunha, director do jornal “Diário de Notícias”. Aliás, a “Gazeta dos Caminhos de Ferro” incluía numerosas descrições de viagens, como foi o caso da série de artigos intitulada “Notas de Viagem”, da autoria do engenheiro Cândido Xavier, e que foram publicados ao longo dos vários números de 1896.

              Visita de Carlos Bleck à Sociedade em 1934                      Exposição de encadernações artísticas em 1936

 

Em Dezembro de 1906, o número de sócios da “Sociedade Propaganda de Portugal” era de 2.175, 1.054 sócios fundadores e 1.121 outros sócios. Nos anos seguintes verificou-se um aumento dos mesmos: 1912: 5.995 sócios; 1916: 9.829 sócios; 1918: 10.635 sócios; 1925: 16.000 sócios. Apesar do número de sócios da organização portuguesa ficar bastante aquém do número de sócios dos outros Touring Club europeus, ele não deixava de ser significativo em função da dimensão do país. Para além dos numerosos sócios portugueses, a Sociedade contava também com sócios no Brasil, nomeadamente no Rio de Janeiro e em Maranhão.


Cartão gentilmente cedido por Carlos Caria

A “Sociedade Propaganda de Portugal”, publicava, regularmente, o seu “Boletim da Sociedade Propaganda de Portugal”, distribuído mensalmente e gratuitamente aos sócios. No Boletim eram propostas viagens no país e divulgados os principais monumentos das várias cidades, alguns dos quais eram ilustrados por fotografias. publicou ao longo dos anos várias outras obras, como monografias, dépliants e outras brochuras de divulgação, algumas noutros idiomas. Sobre o “Folheto Portugal”, que tinha uma larga distribuição no país e no estrangeiro, referiam que «é das nossas  publicações a mais interessante pelos seus artigos de reclame ao clima, paisagem, e arte no nosso país, e que as excelente gravuras mais fazem realçar, despertando o interesse de quantos o consultam».

    

Os seus fins eram: «organizar e divulgar o inventário de todos os monumentos, riquezas artísticas, curiosidades e lugares pitorescos do país; publicar itinerários, guias e cartas roteiras de Portugal; organizar ou auxiliar excursões; promover a concorrência de estrangeiros, e uma maior circulação de nacionais dentro do território; dar as informações que lhe sejam solicitadas; fornecer a hotéis, casinos, estabelecimentos hidroterápicos, empresas de transportes, etc, plantas de instalações, tabelas de preços e lista de objectos de uso corrente nos grandes centros de excursionismo; promover reformas e melhoramentos na instalação e regime de hotéis, transportes e serviços locais; e de uma maneira geral estudar todas as questões de interesse geral conexas com o fim da sociedade»

Primeiro poster de promoção turística de Portugal de 1907, e Mappa Excursionista do mesmo ano

 

Capa de publicações turísticas de 1911 e 1913 com gravuras de Roque Gameiro

     

Outras publicações

Chapas da “Propaganda Portugal” que eram afixadas nas entradas dos estabelecimento recomendados. Na foto da direita exemplo na entrada do “Hotel Metropole”, ao lado da “Leitaria Luso-Central”, no Rossio

 
Chapa gentilmente cedida por Carlos Caria

Cartazes de promoção turística

  

Postal, frente e verso

 

Para um maior operacionalidade na prossecução dos seus objectivos, a “Sociedade Propaganda de Portugal” organizou-se em várias comissões que iam desde a “Comissão de Hotéis” à “Comissão de Excursões”, por iniciativa da qual se publicou, em 1908, a obra  “Portugal: seus múltiplos aspectos como paiz de excursões”. A “Comissão de Excursões” organizava periodicamente excursões a diferentes pontos do país. Para uma divulgação mais alargada publicavam ainda desdobráveis de praias e de excursões, nomeadamente de Coimbra ao Bussaco.

Mas … João Chagas, em 1908 e a propósito desta Sociedade, escrevia no seu livro “Subsidios criticos para a historia da dictadura” …

Em Maio de 1911, em Lisboa, a “Sociedade Propaganda de Portugal” organiza o primeiro grande evento do Turismo em Portugal: o “IV Congresso Internacional do Turismo”. Este ano de 1911 viria a ser considerado o ano zero do Turismo em Portugal.

Anselmo Braamcamp Freire e outros participantes no “IV Congresso Internacional de Turismo”

“Companhia Internacional de Seguros Fomento Agrícola” e loja “Maison Blanche” enfeitadas em 12 de Maio de 1911, dia de inauguração do “IV Congresso Internacional de Turismo”

 

Convite em 1912

Entretanto em 5 de Julho de 1916 é publicado o nº 1 da “Revista de Turismo” de periodicidade quinzenal e cujo director era Agostinho Lourenço. Na capa podia ler-se : «Publicação Quinzenal de Turismo, Propaganda, Viagens, Navegação, Arte e Literatura.» Era a primeira publicação inteiramente dedicada ao sector, editada após a institucionalização do Turismo em Portugal (1911), para «desenvolver o gosto das viagens», à semelhança do que acontecia noutros países.

  

Aliás, nos primeiros tempos, foram as revistas os principais veículos de divulgação do Turismo, como a “Illustração Portugueza”, cujo primeiro número se publicou em 9 de Novembro de 1903. Já no regime do “Estado Novo” (1926-174), era lançada, em 1940, a revista “Viagem” «dirigida aos que gostam de viajar e ainda àqueles que, por suas favoráveis condições turismo e de vida, podem adquirir esse gosto que instrui e aristocratiza o espírito” e de uma outra, esta editada pelo “SPN - Secretariado de Propaganda Nacional” e dirigida por António Ferro, a “Panorama”, iniciada em Junho de 1941, foram as primeiras publicações de Turismo, com a colaboração dos melhores escritores, jornalistas, ilustradores, designers e fotógrafos da época.

Números 1 das duas revistas. De 9 de Novembro de 1903 e Junho de 1941, respectivamente

 

Procurando estender a acção às várias regiões do país a “Sociedade Propaganda de Portugal”, - que a partir de 1907 passou a estar instalada na Rua Garrett, ao Largo do Chiado - estabeleceu cerca de 143 delegações em várias regiões do país e do estrangeiro. Em 1925, para citar alguns, possuía delegações em Albufeira, Amarante, Braga, Cartaxo, Elvas, Faro, Guimarães, Lagoa, Leiria, Luso, Manteigas, Monchique, Penacova, Portalegre, Portimão, Póvoa do Varzim, Régua, Silves, Sintra e Viana do Castelo, além de postos de informação em Pombal e Trancoso. No estrangeiro possuía bureaux em Paris, Berna, Genebra, Lausanne, Lorient, Madrid, Saint-Malo e Vichy, e postos de informação em Henda e Irun.

Instalações na Rua Garrett, junto ao Largo do Chiado, a partir de 1908

 

Como algumas iniciativas de monta desta Sociedade, o lançamento do plano de aproveitamento turístico do Estoril, primeiro grande centro internacional do país, lançamento do programa de construção de Pousadas que constituiriam uma imagem de marca do turismo português. Em 1917, e com o intuito de formar profissionais de hotelaria, a “Comissão de Hotéis” estabeleceu uma escola profissional para empregados de hotéis na Casa Pia de Lisboa, que funcionou durante o ano de 1917, mas que, na sequência da alteração do governo e da falta de atribuição de um subsídio, foi encerrada. Em 1928, o jogo ficou ligado ao turismo tendo sido criada a “Repartição de Jogos e Turismo” integrada no Ministério do Interior.

Sob a tutela da Secretaria de Estado da Informação e Turismo foi criada, em 1969, a “Direcção Geral do Turismo”, com competências para promover o turismo nacional, coordenar e estimular a acção dos órgãos locais de turismo e fomento, e ainda, para orientar, disciplinar e fiscalizar as actividades e as profissões directamente ligadas ao sector turístico. No mesmo ano, a “Direcção Geral de Turismo” passou a ter atribuições em matéria de indústria hoteleira e similar. A “ecretaria de Estado da Informação e Turismo seria extinta, em consequência das alterações nas estruturas governamentais operadas no pós 25 de Abril de 1974.

Sede da “Sociedade Propaganda de Portugal” em 1969

A partir de 1982 a “Direcção Geral de Turismo” foi dotada de autonomia administrativa, tendo sido estabelecido como seu órgão de gestão o Conselho Administrativo. Nesse mesmo ano, a Secretaria de Estado do Turismo e todos os serviços dela dependentes passaram para o âmbito da Presidência do Conselho de Ministros. Em 1986, foi criado na Presidência do Conselho o “Instituto de Promoção Turística” que absorveu todas as funções do domínio da promoção turística. A Secretaria de Estado do Turismo regressaria à tutela do Ministério do Comércio e Turismo em 1987.

fotos in: Hemeroteca Municipal de LisboaArquivo Municipal de Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal

1 comentário:

Luis Eme disse...

Muito bom, para não variar muito.