2 de agosto de 2018

Monte Estoril Hotel

O "Monte Estoril Hotel", localizado na Avenida Sabóia, no Monte Estoril, entre o Estoril e Cascais, propriedade de Guilherme Cardim - presidente do Grémio dos Hoteleiros do Sul - foi resultado da modernização e ampliação e renomeação do antigo “Grand Hotel d’Italie”, em 1944. Em Janeiro de 1945 já o novo “Monte Estoril Hotel” estava aberto e a funcionar.

O Hotel original foi o “Grande Hotel D’Italie” até Abril de 1944, e que tinha sido fundado, em 1899, por Félix Petracchi, antigo cozinheiro da Rainha D. Maria Pia. Começou por ser constituído apenas por um edifício, e mais tarde foi ampliado, sendo construído outro edifício contíguo. Este hotel em conjunto com o Estoril Palácio Hotel”,  no Estoril e o “Grande Hotel”  no Monte Estoril, eram considerados os “must” da época.

 

Carta da “Comissão Promotora dos Interesses do Mont’Estoril”, em 1911

Anúncio em 1933

 

No jornal “O Estoril” de 25 de Dezembro de 1934

1934 Jornal Estoril

Evento de confraternização entre jornalistas do Porto e Lisboa no “Grand Hotel d’Italie”, em Outubro de 1928

O “Monte Estoril Hotel”, a par com o Hotel Atlântico”, também no Monte Estoril, mas à beira mar, foram os preferidos dos espiões alemães durante a II Guerra Mundial, enquanto o “Grande Hotel” do Monte Estoril e o Estoril Palácio Hotel”, no Estoril, eram os preferidos dos ingleses.

De referir que o hotel que se situava ao lado e ligeiramente atrás do “Monte Estoril Hotel”, era o “Grande Hotel”, ex- “Grand Hotel Estrade” assim conhecido pelo facto do seu gerente se chamar Estrade, e inaugurado em 1 de Agosto de 1898. Á semelhança do “Monte Estoril Hotel”  mudou de nome após ter passado por grandes mudanças e transformações exteriores. Nas fotos seguintes podem-se ver as transformações a nível exterior do edifício. Este hotel encerrou há poucos anos, sendo transformado em edifício de apartamentos.

Grand Hotel Estrade e anúncio em 1933

 

“Grand Hotel” e “Grande Hotel D’Italia”

O novo hotel "Monte Estoril Hotel" passava a oferecer 96 quartos, com 63 casas de banho privativas «o que deve tornar, neste aspecto, um dos hotéis que melhor correspondem às exigências de comodidade e conforto a que esta indústria hoje tem  de obedecer.»

 

Quanto ao novo “Monte Estoril Hotel” a revista “Panorama “ nº 28 de 1946 relatava:

«Mas não se limitou a este principal requisito que hoje deve possuir todo o hotel que se possa considerar dentro da sua época; a escolha do mobiliário de todas as salas, quartos e dependências, as cores e os tons criteriosamente escolhidos nas paredes e decorações de acordo com as mais modernas exigências de iluminação, bem como todas as instalações - tudo foi criteriosamente estudado nos seus mais diversos pormenores, de modo a tornarem o serviço impecável e a oferecerem a quem o frequente o máximo conforto.
Não foi sequer esquecido o revestimento isolador das paredes que evita em cada quarto o incómodo de quaisquer ruídos externos.

 

 

 

As próprias acomodações para o pessoal podem considerar-se modelares e justificam - pelo pelo estímulo que dão e hábitos que fazem adquirir, a boa apresentação e diligência em todo o serviço.
O vestíbulo de entrada, os salões de repouso, visitas e leitura, a vasta sala de jantar, o bar, os terraços de belos panoramas e os quartos desde os compartimentos completos ao mais simples, mas todos com o mesmo cunho artístico, conforto e comodidade e um serviço impecável de mesa completam êste agradável conjunto que justifica a preferência dos seus clientes cada dia mais numerosos e escolhidos.»

1945

  

Etiquetas de bagagem

 

Hoje o “Monte-Estoril Hotel”, já não existe, e o seu edifício foi transformado em edifício de apartamentos. Aqueles dois últimos pisos de apartamentos, acrescentados, e revestidos a chapa …

fotos in: Delcampe.net, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian (Estúdio Mário Novais), Hemeroteca Municipal de Lisboa

2 comentários:

Anónimo disse...

O Grande Hotel, que aparece em 2° plano numa das fotos e que frequentei em criança, a ser o mesmo, em frente ao jardim, creio que já não existe. Mais apartamentos, julgo eu...
Cumprimentos
Gonçalo

José Leite disse...

Caro Gonçalo

O "Grande Hotel", já não existe.

Tem razão. Ou já é ou vai ser convertido num edifício de apartamentos.

Cumprimentos
José Leite