13 de setembro de 2018

Cinema Arco Iris

O Cinema “Arco Iris”, localizado num anexo do Coliseu dos Recreios de Lisboa”, terá aberto as suas portas em 3 de Setembro de 1960. Era propriedade da firma “Empresa Ricardo Covões (Filhos), Lda.”.

Relembrando o que escrevi no artigo publicado neste blog intitulado “Coliseu dos Recreios de Lisboa”

«O último, “Colyseo dos Recreios” em Lisboa, localizado na, Rua de Santo Antão e propriedade da “Sociedade de Recreios Lisbonense”, foi inaugurado em 14 de Agosto de 1890, com a ópera cómica “Boccacio”. O seu primeiro empresário foi o comendador António Santos Júnior vindo do “Real Colyseu de Lisboa”» .

O espaço ocupado pelo cinema “Arco Iris” foi inicialmente ocupado por uma loja de móveis. Depois de encerrada foi utilizado para armazém do Coliseu até que em 16 de Outubro de 1924 a empresa Ricardo Covões, - que tinha ficado com a exploração do “Coliseu dos Recreios” em 1923 -, inaugura o “Café do Coliseu”.

Com a loja de móveis em funcionamento e depois desta encerrar e antes do “Café do Coliseu”

 

O “Café do Coliseu” atrás do carro

«No dia 16, à tarde, foi inaugurado o Café do Coliseu, com um copo de água oferecido à Imprensa, tendo assistido muitos jornalistas. O café foi instalado numa antiga dependência do Coliseu que servia de armazém. A sua ornamentação, como atrás já está escrita, é alusiva aos espectáculos do Coliseu. Trocaram-se afectuosos brindes, tendo falado pela imprensa de Lisboa o director do Jornal do Comércio, sr. Alberto Bessa, falando em seguida o sr. Lourenço Caiola pelo Diário de Notícias, e outros oradores, que puseram em destaque a obra de Ricardo Covões.» in livro “50 anos do Coliseu”.

16 de Outubro de 1924

O interior do Cinema “Arco Iris” era modesto e pequeno comportando entre 100 a 150 espectadores, com sessões contínuas de 2 filmes cada com um intervalo entre elas. Algumas cadeiras tinham colunas de suporte do balcão do Coliseu dos Recreios”, na sua frente, dificultando assim a visão dos espectadores … A exibição de filmes de cowboys e capa e espada eram o seu forte.

“Arco Iris” em 1960 e em 1966

 


gentilmente cedido por Carlos Caria

Primeira aparição do “Arco Iris” numa lista de cinemas em jornais. No “Diario de Lisbôa” em 3 de Setembro de 1960

Antigas bilheteiras do “Arco Iris”, actualmente


gentilmente cedida por Carlos Caria

Depois de a sua actividade se ter prolongado por praticamente 20 anos, o “Arco Iris” encerraria por volta de 1980, altura que seria substituído pelo “Bar 25 Pipodrom”. Neste espaço, e a troco de uma moeda de 25$00, o cliente assistia numa das cabines dispostas em círculo, a um espectáculo de strip-tease ou peep-show, efectuado por umas raparigas que se iam revezando.

Depois deste Bar ter encerrado, o espaço foi sucessivamente ocupado por Discoteca, loja de discos e por fim por bar e restaurante. O último, creio, abriu em finais de 2015 e chamava-se “Café 1890”, que funcionava como cafetaria do Coliseu e no primeiro andar como restaurante. Teve existência curta e viria a encerrar. Creio que, actualmente, o espaço se encontra desocupado.

“Café 1890” em 2016

 

  

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa

1 comentário:

Mister Vertigo disse...

Embora nunca tenha entrado no cinema, infelizmente, recordo-me dele quando ía ver o circo em criança ao Coliseu, muitos anos depois entrei no espaço quando era discoteca, com um reportório bem interesante, recordo-me de um disco da David Sylvian e uma Sinfonia de Mahler que por lá encontrei e nunca mais vi em lado nenhum, mas como diz, na sua crónica a existência foi curta.
É sempre um prazer passar por aqui!
Bom fim-de-semana!