21 de junho de 2018

Pousada de S. Gonçalo no Marão

A “Pousada de S. Gonçalo”, na Serra do Marão e a cerca de 20 kms de Amarante e projectada pelo arquitecto portuense Rogério de Azevedo (1898-1983), foi a segunda de uma série de “Pousadas de Turismo” a ser inaugurada, em 29 de Agosto de 1942.

Relembro o que escrevi no artigo intituladoPrimeiras Pousadas de Portugal publicado em 9 de Janeiro de 2012:

«Na sequência da Nota Oficiosa de Março de 1938, em que o Presidente do Conselho Dr. Oliveira Salazar, incluía no elenco de obras a realizar a tempo das celebrações centenárias de 1940, o estabelecimento de certo número de pousadas em recantos provincianos, o “Ministério das Obras Públicas e Comunicações” (MOPC) encarregava os arquitectos Rogério de Azevedo e Miguel Jacobetty Rosa do estudo desta nova tipologia, ficando desde logo estabelecida a distribuição geográfica dos equipamentos. Rogério de Azevedo ficaria encarregue das propostas para a Serra do Marão e Santo António do Serém, ficando Jacobetty Rosa encarregue dos estudos de Elvas e São Brás de Alportel. Entre estudo, projecto e construção, nenhuma destas pousadas seria concluída a tempo das celebrações.

Estas pousadas, inseriram-se no projecto de criação de uma rede nacional de pousadas regionais, com o fim de dinamizar a oferta turística nacional. Tratava-se de «criar em cada pousada, com a sua originalidade e as características próprias de cada região, uma atmosfera caseira e sem luxos, um ambiente calmo, familiar e português». Esta iniciativa sob a direcção de António Ferro, do “Secretariado da Propaganda Nacional” (SPN), criado em 25 de Setembro de 1933, que a partir de 1945 mudou de designação para Secretariado Nacional da Informação, Cultura Popular e Turismo (SNI), incluiu também a criação da revista "Panorama", em 1941, na qual se iam promovendo a edição de vários roteiros e guias turísticos em diversas línguas.

As pousadas depois de construídas pelo “Ministério das Obras Públicas e Comunicações” (MOPC) eram entregues ao “Secretariado da Propaganda Nacional” (SPN), que seria substituído a partir de 1945 pelo SNI».

A primeira a ser construída foi a Pousada de Santa Luzia”, em Elvas localidade conquistada aos mouros por D. Afonso Henriques em 1166. Inaugurada em 19 de Abril de 1942, é o que agora se chama uma pousada regional. O projecto desta pousada foi da responsabilidade do arquitecto Miguel Jacobetty Rosa.

A “Pousada de S. Gonçalo” , inicialmente com 5 quartos, decorada por José Luis Brandão de Carvalho, e móveis fornecidos pala casa “Souza Braga, Filho & C.ª”, foi construída junto à apelidada «curva da morte» em pedra de xisto integrando-se perfeitamente no seu ambiente natural a 880 metros de altitude. O seu primeiro concessionário foi Alcino Reis.

 

         

 

A propósito da inauguração da “Pousada de S. Gonçalo” a revista “Panorama” escrevia:

«A pousada de S. Gonçalo, para se enquadrar bem na grandeza e majestade do Marão, requeria exteriormente aquelas linhas duras, os blocos de granito, a nudez da pedra rija, o ar amuralhado das suas paredes para enfrentar o oceano agitado e alteroso de montanhas que se ergue em sua volta, a perder de vista.
A larga varanda que acompanha a curva da estrada domina um profundo vale, e um dos mais grandiosos panoramas do marão, onde a vista se perde maravilhada.
A completar a bela obra do arquitecto portuense Rogério de Azevedo, cuidaram primorosamente os interiores desta pousada o artista decorador José Luiz Brandão de Carvalho e o industrial-artista Manuel de Sosa Braga.
Da competência técnica e profissional e do bom gôsto dêstes artistas resultou um novo modêlo, um novo argumento, valioso e cocludente, de como se pode e deve fazer turismo em Portugal.»

 

“Pousadas do S.P.N.” em Julho de 1943

Preços das “Pousadas do S.N.I.” em 1948

 

 

A “Pousada de S. Gonçalo”, seria ampliada em 1961,e depois de ter pertencido ao “Grupo Pestana Pousadas”, foi adquirida em 2007 por António Ribeiro Pereira que também é o proprietário da empresa “Água do Marão”.

“Pousada de S. Gonçalo”, actualmente

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Hemeroteca Municipal de Lisboa

Sem comentários: