12 de novembro de 2014

Escola do Bairro de São Miguel

A “Escola Primária do Bairro de São Miguel”, na Rua Jorge Ferreira de Vasconcelos. no bairro de Alvalade, em Lisboa, e projectada pelo arquitecto Ruy Jervis d’Athouguia, foi inaugurada em 1955. Construída com a supervisão do engenheiro Agostinho Gaspar, foi Inserida no “Grupo Escolar da Célula VII”, e com 16 salas de aula, fez parte de um grupo de sete escolas primárias construídas no bairro de Alvalade.

 

A Câmara Municipal de Lisboa tinha iniciado, em 1944, um programa de construção de edifícios destinados às escolas primárias que, numa primeira fase, dotou a cidade de cinco grupos escolares, atingindo um total de 264 salas de aula com capacidade para 10.660 alunos. Para melhor localização destes edifícios situou-os no núcleo das células habitacionais, afastados das artérias de grande trânsito, que limitavam aquelas unidades. Este critério foi especialmente cuidado no bairro de Alvalade.

A “Revista Municipal” do 3º trimestre de 1955 descrevia este programa:

«O programa estabelecido, orientou a construção dos novos edifícios para conjuntos de 16 salas de aula, com instalações separadas para cada anexo, admitindo-se a frequência máxima de 640 alunos, constituindo Grupos Escolares, em que se definem dois corpos principais destinados às aulas, com 8 salas, medindo cada 8mx6m, com 3m,50 de pé-direito e tendo capacidade para 40 alunos.
São dotados de gabinetes para professores, instalações sanitárias, arrecadações e acessos amplos com átrios e corredores espaçosos. Constroem-se dependências destinadas às cantinas com uma cozinha-copa, uma pequena dispensa, instalações para o pessoal e dois refeitórios permitindo servir refeições a 100 crianças em cada sala. Incluem-se, na construção, recreios cobertos, com áreas mínimas de 160m2, e recreios ao ar livre com cerca de 2.000m2 para cada secção. Nos vários pavimentos existem sanitários, assim como, junto dos gabinetes dos professores e nas cantinas.
A área total óptima para o conjunto é de 6.000m2 prevendo-se uma faixa de protecção ajardinada e arborizada. (…)
Estão previstos, ainda, motivos artísticos no exterior dos edifícios e lambrins de azulejos policromados nos refeitórios.
Foi obtida a colaboração de numerosos artistas, nomeadamente, dos escultores Joaquim Correia, Raúl Xavier, D. Stela de Albuquerque, Dias Coelho, D. Maria Barreira, Martins Correia e outros, encontrando-se já aprovados alguns motivos apresentados e vários ainda em estudo. Os trabalhos de pintura de painéis exteriores e lambrins, foram distribuídos a vários artistas designadamente, os pintores Júlio Santos, Louro de Almeida, Cândido da Costa Pinto, D. Maria Keil, Lima de Freitas, Sá Nogueira, Querubim Lapa, etc.»

 

 

 

Escultura de Stela de Albuquerque

As cantinas das escola primárias, ficaram a cargo da "Obra das Mães pela Educação Nacional", que distribuía refeições às crianças mais necessitadas.

A quando da visita do Presidente da Câmara de Lisboa, tenente-coronel Salvação Barreto e do chefe da Repartição de Obras, engenheiro Ciro de Oliveira Pinto, à fase de acabamentos desta “Escola Primária do Bairro de São Miguel” em 4 de Fevereiro de 1955, o jornal “Diario de Lisbôa” escrevia:

Visita do Presidente da Câmara de Lisboa e do chefe da Repartição de Obras à fase de acabamentos da “Escola Primária do Bairro de São Miguel” em 4 de Fevereiro de 1955

 

«A instalação de escolas em prédios inadequados, criou problemas que, juntamente com os da expansão da cidade, zonas de urbanização e a intensificação do ensino, colocaram este sector da actividade municipal em primeiro plano, se se notar que existem 102 edifícios com 465 salas de aula, muitos em regime duplo, frequentadas por 27.788 alunos e que pelo senso de 1950 a percentagem de analfabetos era impressionante, embora se não referisse exclusivamente à população em idade escolar, que é avaliada em 7% dos 790.434 lisboetas daquela avaliação. As escolas particulares dão um contributo apreciável, com o ensino de 13.000 alunos.»

Hoje é a “Escola - E.B.1 nº 24 do Bairro de S. Miguel”, pertencendo ao agrupamento de Escola Eugénio dos Santos, com 385 alunos distribuídos por 16 turmas.

 

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa

2 comentários:

greentea disse...

não andei lá na escola mas votei lá e conheço -a bem ...

IsabelPS disse...

Muito obrigada por estas fotografias da minha escola. A entrada do lado das raparigas, com a escada ºara o primeiro andar, a fotografia do recreio em que se vê bem a minha sala, a primeira do rés-do-chão...
Fiquei triste por ver grades nas salas, como já tinha visto na fachada.