27 de Janeiro de 2011

Sacavém

Sacavém foi reguengo, e terra da Coroa, durante alguns séculos, daí a importância económica das actividades agrícola e vinícola na região.

A tradição afirma que durante a Idade Média, uma Albergaria de leprosos e peregrinos desempenhou um papel marcante em Sacavém. Sabe-se que em 1599 a peste devastou a população e como a igreja matriz (já desaparecida) não chegava para enterrar os mortos, o prior mandou sepultá-los junto da Capela de Santo André, onde tinha havido um hospital de leprosos e albergaria de peregrinos. Ao ser aberta a primeira cova surgiu uma imagem gótica. O povo de imediato a levou em procissão até à capela de Santo André, pedindo a Nossa Senhora da Saúde que os livrasse da peste. Desde então o povo de Sacavém venera a Nossa Senhora da Saúde e dedica-lhe uma festa anual, no primeiro domingo de Setembro.

                                                                            Duas gravuras de 1850

 

Fotos in: Biblioteca Nacional Digital

O terramoto de 1755 destruiu quase totalmente esta freguesia, arruinando a igreja matriz, que foi substituída pela Capela da Nossa Senhora da Saúde.

Por esta altura aqui viviam cerca de 1.500 pessoas, em 353 fogos e pouco desenvolvimento houve até ao século XIX. Apesar da forte actividade agrícola e comercial da região (o rio acabou por ter uma importante função como via de escoamento de produtos agrícolas), a população era constituída essencialmente por trabalhadores rurais e pequenos artesãos. A freguesia estava cercada de Quintas pertencentes à nobreza, que durante as lutas liberais foram passando para a burguesia.

           Ponte de transporte de água para Lisboa                                 Ponte sobre o Rio Trancão em 1961

 

No século XIX, importantes obras vêm dar novo impulso à freguesia. A construção do Forte Monte Cintra e da estrada militar, integrados nas linhas de defesa de Lisboa, a ponte de cantaria e ferro sobre o Trancão para a estrada que liga a Capital ao Porto e a fábrica de tinturaria e estamparia na Quinta das Penicheiras são factores que motivam o desenvolvimento da comunidade.

Em 1856, Manuel Joaquim Afonso funda a Fábrica da Loiça que, vinte e cinco anos depois, emprega 400 operários. Ainda em 1856 inaugura-se a linha do caminho-de-ferro, ligando Lisboa ao Porto e passando por Sacavém. Dos arredores e do interior do País começam a chegar pessoas que trocam o campo pela fábrica, na busca de melhores condições de vida.

                         Fábrica de Loiça de Sacavém                                             Estação de combóios de Sacavém

 

Entretanto, o aumento e melhoria das vias de comunicação fazem de Sacavém um local privilegiado para a fixação de indústrias e o número destas vai crescendo. Com ele aumenta a população e, consequentemente, a população transforma-se. Já não é uma classe agrícola, mas fabril. Um pouco por toda a freguesia surgem "Vilas Operárias", pequenos núcleos habitacionais que ainda hoje mantêm, na quase totalidade, as suas funções iniciais.

                                                         Cais junto ao rio Trancão, e estrada junto ao cais

 

                                           Vila de Sacavém e Quartel dos Bombeiros Voluntários, em 1961

 

Fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa

Pouco a pouco, a fisionomia de Sacavém foi-se alterando: as quintas dão lugar a novas fábricas ou adaptam-se a habitações.

Nos finais do século XIX, a freguesia conta com mais de 2000 habitantes, dos quais cerca de metade são operários da Fábrica de Loiça, indústria de crucial importância económica para a zona.

O movimento associativo começa a ter expressão no início o século XX - em 1900 é fundada a "Sacavenense", Cooperativa de Crédito e Consumo, uma das mais antigas de Portugal. Logo depois surge o Clube Recreativo (1909), o Sport Grupo Sacavenense (1910), o Clube dos Caçadores (1921) e a Academia Recreativa e Musical de Sacavém (1927).

Em 7 de Dezembro de 1927, Sacavém é elevada a Vila . No dia 4 de Junho de 1996, foi elevada à categoria de Cidade.

5 comentários:

1143 disse...

não foi só a vila que foi mudando pouco a pouco , as gentes também ,os originais vão abandonando e sendo substituídos por outros que se sentem mais ligados a lugares distantes , como estará daqui a 50 anos ? já aqui não estarei para ver , mas não me parece que as novas gentes liguem à historia da terra .

rf disse...

Bravo!pelo seu excelente blogue que acompanho regularmente. Do Porto e não só

J.Leite disse...

Grato pelas suas palavras.
Não querendo fazer uma troca de "galhardetes", sigo tambem o seu blogue, considerando o seu trabalho muito pormenorizado, completo e rigoroso

Cumprimentos

Luis Calafate disse...

Relativamente à imagem "Ponte sobre o Rio Trancão em 1961" gostava de saber a data da sua construção. Parece tratar-se de uma ponte em arco com tabuleiro inferior, construida em betão armado no início do século XX.

Anónimo disse...

PARABÉNS GOSTEI MUITO!