Restos de Colecção: “Hotel de Paris” no Estoril

5 de março de 2019

“Hotel de Paris” no Estoril

O “Hotel de Paris” foi fundado em 11 de Fevereiro de 1899 por Léon Lacam, em Santo António do Estoril (actual Estoril), perto do “Convento de Santo António”, e junto à “Estrada Real”  e atrás da Estação de Caminhos de Ferro.

Até à implementação do projecto da firma “Figueiredo & Sousa”, - constituída por Fausto de Figueiredo e Augusto carreira de Sousa -  a partir de 1914, Santo António do Estoril (actual Estoril) continuava a ser sobretudo divulgado pelo seu pinhal e parque termal, inserido na quinta de José Viana da Silva Carvalho. Existiam, então, dois estabelecimentos termais, inaugurados em 1880 e 1894, respectivamente, assim como um grupo de casas de aluguer instaladas no Pátio do Viana, a quem se deveu, depois, a construção do edifício para hotel, defronte da linha férrea, que viria a ser adquirido pelo francês "Léon Lacam” e que viria a ser o “Hotel de Paris”. Para além da Quinta do Viana, outras parcelas adquiridas pertenciam às antigas quintas do Machado e do Caldas.

Carta topográfica (antes de 1914)

“Quinta do Viana”, sua Estação Termal e a “Estrada Real”, em 1910. O “Hotel de Paris” situava-se à esquerda

Quanto às águas termais do Estoril, no “Roteiro de Portugal, Antigo e Moderno” de João Baptista de Castro em 1870 

Estação do Estoril ,da “Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portuguezes” na linha “Pedrouços-Cascais” inaugurada em 30 de Setembro de 1889

 

O “Hotel Paris”, tornava-se na primeira unidade hoteleira a entrar em funcionamento nesta região, igualmente afamada pela sua praia, hoje conhecida porTamariz”, onde se destacavam três belíssimos exemplares de arquitectura de veraneio: o “Chalet Barros” ; “Chalet Schröter” e de “Casa de S. Roque”.

                                 “Chalet Barros”                                                                        “Chalet Schröter”

 

Panorama da costa de St. António do Estoril podendo-se observar a Estação de C.F. (à direita na foto) o “Hotel de Paris” (à esquerda da vela do barco) e o “Convento de Santo António” (à esquerda na foto)

 

Entretanto em 1913, já este Hotel pertencia a Emile Renault, que não o seria, naquele lugar, por muito mais tempo, já que, em 1914, teriam início as demolições da vasta área da antiga “Quinta do Viana”, entretanto adquirida pela firma “Figueiredo e Sousa”, para dar lugar ao grandioso e arrojado projecto de Fausto de Figueiredo.

Anúncio no “Guia Official dos Caminhos de Ferro de Portugal” de 1913

Artigo na revista “Illustração Portugueza” em 10 de Agosto de 1914

Num artigo do jornal "A Capital" em 26 de Agosto de 1918 podia-se ler:

«No rez do chão, n'um comprimento de algumas dezenas de metros estende-se um terraço vastissimo, todo cheio de mezas, onde, no verão, são servidos os admiraveis e tradicionaes jantares e almoços do Hotel-Restaurant Paris a que um mestre habilissimo de cozinha sabe dar os mais delicados tons de gosto.
É o seu intelligente proprietario que vem n'um requinte de amabilidade, receber-nos. Chama-se Louis Vergani  e é bem conhecido entre todos o que habitualmente viajam com frequencia pelo paiz. É socio do Grand Hotel Club das Caldas das Felgueiras e foi durante largos annos, gerente do Hotel de Inglaterra e de outros hoteis do Mont'Estoril.
No Hotel Restaurant Paris, que conta com cincoenta aposentos, fala-se francez, inglez, o italiano e o hespanhol, o que é uma enorme vantagem para a clientella cosmopolita que é a que a mais o frequenta.
Os preços, apesar de todas as grandes difficuldades de hoje, são mais baixos do que em Lisboa. Assim, por exemplo, a pensão é de trez a cinco escudos por dia. Os almoços 1$40, e os jantares 1$50.
Realmente, quem é que não quererá vir passar um tempo ao Estoril, no tão magnifico hotel, por tão favoraveis preços? Mas apressem-se que poucos são os quartos ainda disponiveis no Hotel-Restaurant Paris.»

Este Hotel passaria para outro edifício no Estoril, e por volta de 1920 seria adquirido pelo suiço Louis Vergani, que em 11 de Julho de 1924, requereria aval para que Domingos Teixeira dos Santos edificasse novo projeto aprovado em sessão camarária. A 5 de Maio de 1928, Vergani requereu permissão para aumentar o hotel onde vivia e, em Julho de 1930, o Ministério das Finanças isentou-o de contribuição predial e industrial, por dez anos.

Em 1932, o hoteleiro suiço Louis Vergani viria a inaugurar um novo Hotel, no alto do Estoril, de seu nome Hotel Paris”, projectado pelo arquitecto Inácio Peres Fernandes, e que ainda hoje existe, sob a designação de “Sana Estoril Hotel”.

Hotel Paris

foto in: Delcampe.net, Arquivo Municipal de Cascais, Hemeroteca Digital de Lisboa

Sem comentários: