Restos de Colecção: Ginja Sem Rival

Notícias do Blog

Foram actualizados os seguintes artigos: "Livraria Ferin", "Casa Memoria" de Santos Beirão, "Fotocolor" - Fotografia e Cinema, e Cinema "Arco Iris". Para aceder rapidamente aos mesmos consulte a página Alfabético e Actualizações em Índices e Actualizações // Lembro que a página "Ano ou Data de Inaugurações e Eventos", disponível no menú "Dados Históricos", é actualizada regularmente com novas entradas // Para conhecer as novas funcionalidades e aceder a novas plataformas de informação neste blog, consulte a "Folha Informativa", disponível na barra lateral    //    Para melhor conhecimento destas alterações aconselha-se, igualmente, uma visita, ou revisita, ao "Guia do Blog", disponível tambem na mesma barra lateral

15 de maio de 2019

Ginja Sem Rival

A loja "A Ginginha Sem Rival", foi fundada, por volta de Outubro de 1894, na, Rua de Santo Antão, em Lisboa, por João Manuel Lourenço Cima, avô dos actuais proprietários.


"Ginjinha Sem Rival" dentro da elipse desenhada, em foto dos anos 60 do século XX


Anúncio publicitário mais antigo a que tive acesso datado de 10 de Outubro de 1894


Nos rótulos das garrafas pode-se ler: «Esta casa nunca concorreu a nenhuma exposição nacional nem estrangeira».


"Granito" outra bebida muito em voga na altura


Além de comercializar o licor de ginja - «bebida peitoral e digestiva" -, capilé (ou xarope de avenca) e groselha, também ficou famosa pela comercialização de outra bebida: o "Eduardino". Este nome foi atribuído em homenagem ao palhaço Eduardo (visível nos rótulos) e que actuava ali bem perto no "Coliseu dos Recreios".
«Certas versões da história dizem que esta teve lugar antes de um espetáculo (para inspirar) ou depois (para desanuviar). O certo é que Eduardo compôs num rasgo alegre de inspiração uma bebida com a esperada ginja mas também com anis e outros cheirinhos. A composição agradou tanto que pegou, em pouco tempo apareceu engarrafada e rotulada. Tornou-se marca registrada em 1908 e hoje é parte integrante da paisagem da loja.» in: Lojas com História

Cartaz


Rótulo


A propósito de "A Ginjinha Sem Rival", a revista "Olisipo" em Outubro de 1942 escrevia ...


«A ginginha bebe-se em pequenos copos, onde o taberneiro, com o gargalo da garrafa sufocado pela rôlha, deita uma ou duas ginjas, cujos caroços os fregueses veem roendo pela rua fora, depois de sborearem a polpa do fruto.» in revista "Olisipo" - Eduardo Fernandes (Esculápio)-1941

Em 8 de Novembro de 1894 ...
                                                                                             


A actual "Ginja Sem Rival", localizada na  Rua das Portas de Santo Antão pertence, à firma "J. Manuel L. Cima (Herdeiros), Lda.", constituída pelos netos do fundador. Abre logo pelas 8 horas da manhã e, preservando a receita de antigos licores que deixaram de ser comercializados, continua a ser fornecedora de licor de ginja para outras casa de Lisboa, como a mui conhecida e antiga "Tendinha do Rossio", junto ao Arco do Bandeira.

Fotografias actuais do estabelecimento "Ginja Sem Rival"








Recordo que já em 1840, tinha sido fundada no Largo de São Domingos, e pelas mãos do galego Francisco Espinheira, outra casa famosa: "A Ginjinha". Assim como a "Ginja Sem Rival", também esta casa ainda existe.



Sem comentários: