Restos de Colecção: Porto de Lisboa (18)

Notícias do Blog

Lembro que a página "Ano ou Data de Inaugurações e Eventos", disponível no menú "Dados Históricos", é actualizada regularmente com novas entradas // Para conhecer as novas funcionalidades e aceder a novas plataformas de informação neste blog, consulte a "Folha Informativa", disponível na barra lateral    //    Para melhor conhecimento destas alterações aconselha-se, igualmente, uma visita, ou revisita, ao "Guia do Blog", disponível tambem na mesma barra lateral

21 de outubro de 2014

Porto de Lisboa (18)

Descarga de carvão em 1907

 

Hidroavião «Fairey III D» da Aeronáutica Militar a ser içado para bordo do navio “Bagé” em 1922

Junto a história associada à foto do embarque do «Fairey», que o leitor Pedro Ferreira fez o favor de a enviar, via comentário, e que mais uma vez agradeço a sua disponibilidade:

«Junto mais alguma informação à foto do Fairey (n.º 17) na sua partida para o último voo.
O “Bagé” foi um navio mercante brasileiro. Estava em Lisboa quando se soube que Sacadura Cabral e Gago Coutinho tinham amarado “em desgraça” junto aos penedos de São Pedro e São Paulo.
Sacadura Cabral sabia que apenas tinha combustível para chegar a estes rochedos no avião inicial – Fairey III D especial F-400 “Lusitânia”. Gago Coutinho queria provar que podia “navegar” direito a estes rochedos (têm 200 metros de comprimento e poucos metros de altura) e conseguiu.
O nosso cruzador “República”, que os aguardava junto aos rochedos, tinha derramado óleo para facilitar a amaragem (crime ambiental, dir-se-ia hoje) mas a gasolina faltou a poucos metros do local e a mareta arrancou um dos flutuadores do hidroavião.
O Hidro ficou a flutuar afocinhado mas o cruzador não tinha meios para o içar para bordo e assim se perdeu.
Telegrafado o acontecimento para Lisboa, logo (imagino a trabalheira administrativa e militar) se providenciou o acondicionamento de outro Fairey, o da foto aqui reproduzida, para ser transportado pelo Bagé até à ilha de Fernando Noronha onde o aguardavam os dois aviadores.
Chegado o avião, estes decidiram que a travessia era para completar e partiram em direção aos rochedos de São Pedro e São Paulo (627 quilómetros para o interior do Atlântico) para voltarem de novo e continuarem até terra firme no Brasil.
Contudo, as horas passavam e o hidro não aparecia. Havia, no entanto, uma certeza:
- Ao fim de um certo número de horas, o avião deixaria de estar no ar …
E, assim, lá partiu o cruzador “República” navegando em ziguezague com os holofotes a varrer o mar na esperança de encontrar o hidroavião pousado na água. Dizia-se que a navegação de Gago Coutinho era tão segura que o encontrariam de certeza.
Mas antes, o hidroavião foi encontrado pelo navio mercante “Paris City”, comandado pelo capitão inglês Tamlyn, que os recolheu a bordo e rebocou o hidroavião ao encontro do “República”. Neste cruzador, a tripulação tinha improvisado um pau de carga para recuperar o avião mas este não aguentou e o segundo Fairey perdeu-se também.
De novo na ilha de Fernando Noronha, os aviadores esperaram pelo terceiro Fairey que os iria levar em triunfo até ao Brasil.
Assim, a travessia do atlântico sul em 1922 foi feita em 60 horas de voo mas demorou quase três meses e consumiu dois aviões. O terceiro, depois de uma longa estadia no centro de aviação naval de Macau, voltou “empacotado” para Lisboa e está hoje no Museu da Marinha.
Para quem se interessar pelo tema, o Museu da Marinha vende um fac-simile do relatório oficial dos aviadores e a reprodução das comunicações do telegrafista do cruzador “República”.
Numa leitura combinada dos dois documentos revemos o que se planeou e como foram dadas as instruções por telégrafo. Muito interessante.»

Entreposto de Alcântara em 1930

Partida do paquete “Pátria” (1947-1973) da “CCN - Companhia Colonial de Navegação”

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa

2 comentários:

Unknown disse...

Caro José Leite

Junto mais alguma informação à foto do Fairey (n.º 17) na sua partida para o último voo.

O “Bagé” foi um navio mercante brasileiro. Estava em Lisboa quando se soube que Sacadura Cabral e Gago Coutinho tinham amarado “em desgraça” junto aos penedos de São Pedro e São Paulo.
Sacadura Cabral sabia que apenas tinha combustível para chegar a estes rochedos no avião inicial – Fairey III D especial F-400 “Lusitânia”. Gago Coutinho queria provar que podia “navegar” direito a estes rochedos (têm 200 metros de comprimento e poucos metros de altura) e conseguiu.
O nosso cruzador “República”, que os aguardava junto aos rochedos, tinha derramado óleo para facilitar a amaragem (crime ambiental, dir-se-ia hoje) mas a gasolina faltou a poucos metros do local e a mareta arrancou um dos flutuadores do hidroavião.
O Hidro ficou a flutuar afocinhado mas o cruzador não tinha meios para o içar para bordo e assim se perdeu.
Telegrafado o acontecimento para Lisboa, logo (imagino a trabalheira administrativa e militar) se providenciou o acondicionamento de outro Fairey, o da foto aqui reproduzida, para ser transportado pelo Bagé até à ilha de Fernando Noronha onde o aguardavam os dois aviadores.
Chegado o avião, estes decidiram que a travessia era para completar e partiram em direção aos rochedos de São Pedro e São Paulo (627 quilómetros para o interior do Atlântico) para voltarem de novo e continuarem até terra firme no Brasil.
Contudo, as horas passavam e o hidro não aparecia. Havia, no entanto, uma certeza:
- Ao fim de um certo número de horas, o avião deixaria de estar no ar …
E, assim, lá partiu o cruzador “República” navegando em ziguezague com os holofotes a varrer o mar na esperança de encontrar o hidroavião pousado na água. Dizia-se que a navegação de Gago Coutinho era tão segura que o encontrariam de certeza.
Mas antes, o hidroavião foi encontrado pelo navio mercante “Paris City”, comandado pelo capitão inglês Tamlyn, que os recolheu a bordo e rebocou o hidroavião ao encontro do “República”. Neste cruzador, a tripulação tinha improvisado um pau de carga para recuperar o avião mas este não aguentou e o segundo Fairey perdeu-se também.
De novo na ilha de Fernando Noronha, os aviadores esperaram pelo terceiro Fairey que os iria levar em triunfo até ao Brasil.
Assim, a travessia do atlântico sul em 1922 foi feita em 60 horas de voo mas demorou quase três meses e consumiu dois aviões. O terceiro, depois de uma longa estadia no centro de aviação naval de Macau, voltou “empacotado” para Lisboa e está hoje no Museu da Marinha.
Para quem se interessar pelo tema, o Museu da Marinha vende um fac-simile do relatório oficial dos aviadores e a reprodução das comunicações do telegrafista do cruzador “República”.
Numa leitura combinada dos dois documentos revemos o que se planeou e como foram dadas as instruções por telégrafo. Muito interessante.
Abraço,
Pedro Ferreira

José Leite disse...

Caro Pedro Ferreira

Muito obrigado por partilhar a história, atribulada, da travessia do Atlântico Sul.

Abraço

José Leite