Restos de Colecção: Teatros de Lisboa (3)

Notícias do Blog

Lembro que a página "Ano ou Data de Inaugurações e Eventos", disponível no menú "Dados Históricos", é actualizada regularmente com novas entradas // Para conhecer as novas funcionalidades e aceder a novas plataformas de informação neste blog, consulte a "Folha Informativa", disponível na barra lateral    //    Para melhor conhecimento destas alterações aconselha-se, igualmente, uma visita, ou revisita, ao "Guia do Blog", disponível tambem na mesma barra lateral

28 de outubro de 2010

Teatros de Lisboa (3)

Mais uns antigos teatros de Lisboa, já desaparecidos à excepção do “Teatro da República”, hoje com o nome de “Teatro de São Luiz”.  Acrescentei umas pequenas notas que julguei interessantes da história destas famosas casas de espectáculos.  

                                   Teatro Tália                                                                      Teatro do Ginásio

        

O “Teatro Tália” foi construído em 1820, na propriedade do Conde de Farrobo, junto ao seu palácio nas Laranjeiras contíguo ao Jardim Zoológico. O hoje arruinado Teatro de Tália data de 1820 e a sua sala dispunha de cerca de 560 lugares, possuía luxuosos camarins e um opulento salão de baile, de paredes revestidas com valiosos espelhos de Veneza. Foi aqui que se estreou a peça de Almeida Garrett “Frei Luís de Sousa”. Como o Conde de Farrobo era empresário do “Teatro S. Carlos” trouxe a este “Teatro Tália” 18 óperas entre 1834 e 1853. Em 1862 um incêndio destruiu totalmente o interior e já não foi reconstruído, por as “finanças” do Conde de Farrobo estarem já doentes. O edifício ainda existe e foi considerado imóvel de interesse público em 1974 apesar de ainda hoje se encontrar ao abandono.

O “Teatro do Ginásio” foi inaugurado em 1846, e ocupava o Palácio Geraldes. Embora um espaço exíguo e incómodo é, através do seu reportório, essencialmente cómico, um dos espaços teatrais mais frequentados. Pela sua popularidade crescente após obras em 1852 a família real adquiriu um camarote. Em 1921 este teatro é consumido por um violento incêndio destruindo-o completamente. No seu lugar é erguido um novo edifício que passará a ser Cinema Ginásio. Nos anos 80 é desmantelado e passa a centro comercial .

                                         Teatro D. Amélia                                                             Teatro da República

          

O “Teatro República”, inaugurado em 22 de Maio de 1894 com o nome de “Teatro Dona Amélia”, tomou esta designação em 1910 devido à Implantação da República. Em 1914 sofreu um grave incêndio e foi reconstruído.

A revista “Ilustração Portuguesa” de 21 de Setembro de 1914 noticiava desta forma o acidente:

"Lisboa perdeu, com o Teatro da República, a sua melhor, e mais moderna, mais chic casa de espectáculos, a que estavam ligadas as mais fundas recordações de horas inolvidáveis. Pelo teatro da República, agora um montão de escombros que a muita inteligência e o grande tacto administrativo do seu director convertera n'um verdadeiro capitólio de arte, passaram não só os maiores actores como as sumidades teatrais europeias. Ali trabalharam os Rosas, Brasão,Damasceno, e Lucilia, ali se apresentaram ao publico português a Duse, Zaconi, Noveli,Emmanuel, Tina di Lorenzo, a Vitaliani, Guiltry, Sara Bernhardt."

Em homenagem ao dinamizador da sua reconstrução, o Visconde de São Luiz de Braga, em 1918 passa a designar-se “Teatro de São Luiz”.

                                                                                  Teatro Apolo                                                              

                                         

O “Teatro Apolo” situado na Rua da Palma, e pertença de Francisco Viana Ruas, foi inaugurado em 1866 como nome de Teatro do Príncipe Real, em homenagem ao futuro rei D. Carlos.

Dois pobres e uma porta”, em 3 actos e, “Muito padece quem ama” são as comédias apresentadas na inauguração.

Em 1910 o regime republicano altera-lhe o nome para Teatro Apolo. “Agulha em Palheiro” , primeira revista original após a instauração da República, em 1911.
Apesar dos inúmeros sucessos, o teatro foi demolido em 1957

                                                                      Teatro Condes (“Condes Novo”)

                                        

O “Teatro Condes”, também apelidado de “Condes Novo”, foi inaugurado em 1888, e mandado construir por Francisco de Almeida Grandella, e é originário do antigo “Teatro da Rua dos Condes” que começou a funcionar em 1765 na rua dos Condes. Antes de ser demolido em 1951 ainda passou a Cinema Condes.

                                                              Teatro da Rua dos Condes (“Condes Velho”)

                                              

                                              

O nome desta rua tem origem no facto de esta ter sido construída após o terramoto de 1755, nos terrenos dos Condes da Ericeira que eram donos da maior parte desta zona e que se estende até ao Largo da Anunciada. Este “Teatro da Rua dos Condes” em 1782 passou á categoria de Teatro Nacional, tal era a sua importância no panorama artístico. A Administração era comum ao Teatro de São Carlos. A vida literária e teatral portuguesa passava forçosamente por ali. Lá se fazia representações de teatro e ópera.

Fotos in: Arquivo Municipal de LisboaBiblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

Sem comentários: