13 de fevereiro de 2010

Antigos Aviões Militares (1)

Inicio com este a publicação de uma série de posts em que publicarei uma série de fotos de aviões de outros tempos.

                            OGMA/Morane-Saulnier MS.233 , de 1916 do Serviço Aeronáutico Militar  

                              

O «OGMA/Morane-Saulnier MS.233», da série construída sob licença, tal como se depreende pela designação mista, nas instalações das Oficinas Gerais de Material Aeronáutico, em Alverca, nos anos 30; o Morane-Saulnier H era um avião muito mais arcaico, que remonta aos primórdios da aviação militar portuguesa e que serviu para fins de treino elementar durante a I Guerra Mundial.
 
                                       Curtiss HS-2L, de 1921 dos Serviços da Aeronáutica Naval

                                

                                      Vickers Valparaíso III, de 1933 da Arma de Aeronáutica Militar

                             

A "FAP - Força Aérea Portuguesa" só foi criada em 27 de Junho de 1952, pelo que para informação mais completa aqui fica:

Até 27 de Junho de 1952, o ramo aéreo das forças armadas portuguesas estava dividido em dois ramos:

Aeronáutica do Exército

1914 - 1918: Serviço Aeronáutico Militar
1918 - 1924: Serviço da Aeronáutica Militar
1924 - 1952: Arma de Aeronáutica Militar

Aeronáutica Naval

1917 - 1918: Serviço de Aviação da Armada
1918 - 1931: Serviços da Aeronáutica Naval
1931 - 1952: Forças Aéreas da Armada
1952 - Força Aérea Portuguesa (fusão das Forças Aéreas da Armada e da Aeronáutica Militar)

5 comentários:

Anónimo disse...

Parabéns pelo blogger e tanta informação interessante e rara.
Gostaria que corrigisse a alusão aos modelos antigos da aviação da FAP. A FAP foi criada em 1957 após ter sido extinta a Aviação Naval da Marinha Portuguesa.

A Aviação Naval teve vários nomes entretanto:

1917 - 1918: Serviço de Aviação da Armada;
1918 - 1931: Serviços da Aeronáutica Naval;
1931 - 1952: Forças Aéreas da Armada.
(consultar museu de Marinha)
Assina,
Um Marinheiro (pouco importa quem)

José Leite disse...

Caro «Marinheiro»

Muito agardecido pela correcção.

Tem toda a razão. Pelo meu pouco conhecimento em aeronáutica fui levado a considerar os aviões como todos sendo da FAP

Já corrigi

Cumprimentos

José Leite

R. Vieira disse...

Aproveito o ensejo para o felicitar pelo blog.

Relativamente aos três aviões ilustrados neste "post", devo assinalar que só o hidroavião Curtiss HS-2L pertenceu ao inventário do serviço de Aviação de Armada. No caso da primeira imagem, representa de facto um OGMA/Morane-Saulnier MS.233 (e não um Morane-Saulnier H), da série construída sob licença, tal como se depreende pela designação mista, nas instalações das Oficinas Gerais de Material Aeronáutico, em Alverca, nos anos 30; o Morane-Saulnier H era um avião muito mais arcaico, que remonta aos primórdios da aviação militar portuguesa e que serviu para fins de treino elementar durante a I Guerra Mundial. Por outro lado, o MS.233 nunca serviu na aviação naval, mas sim na Arma de Aeronáutica, isto é, o ramo de aviação do exército, o mesmo tendo sucedido com todas as versões do Vickers Valparaíso utilizadas em Portugal (a última das quais também construída nas OGMA). Os dois serviços, da Armada e do Exército, coexistiram até 1952, ano em que o último foi convertido em arma independente, a Força Aérea Portuguesa, pela Lei nº 2055 de 27 de junho de 1952 (e não em 1957, como foi referido no primeiro comentário).
Atentamente,

R. Vieira

José Leite disse...

Caro R. Vieira

Muito grato pelas suas informações adicionais e correcções.

Fiquei um pouco confuso com os ramos da aviação que me indicou, mas alterei o que percebi e o que não, deixei ...

Os meus agradecimentos e cumprimentos

José Leite

R. Vieira disse...

Caro José Leite,

Com a pressa, receio não ter sido muito claro, mas é simples: até 1952, ano de criação da F.A.P., existiram dois serviços separados de aviação militar em Portugal, um dependente do Exército, o outro da Armada, respectivamente a Arma de Aeronáutica e a Aeronáutica Naval.
Os primeiro e último aparelhos do seu "post" pertenceram ao serviço do Exército, isto é, à Arma de Aeronáutica. Peço-lhe que me desculpe pelo anterior comentário, talvez demasiado apressado.

Com os melhores cumprimentos,

R. Vieira