29 de janeiro de 2011

Largo de Cacilhas

Freguesia inserida na cidade de Almada, Cacilhas é afamada pela sua grande oferta de restauração consagrada ao peixe bem fresco, e pelo importante interface de transportes públicos, que ligam, através dos barcos “Cacilheiros” (ver posts na etiqueta “cacilheiros”), Lisboa à margem sul do Tejo, contando igualmente com uma boa rede de comunicação viária nesta vertente sul da grande região de Lisboa.

 

Os vestígios de ocupação humana de Cacilhas remontam ao século VIII a. C., com escavações arqueológicas que atestam a existência de um povoado indígena da Idade do Bronze e, posteriormente, de um importante interposto comercial fenício. Desde longos anos que Cacilhas demonstra, pois, a sua faceta de importante ponto de comunicação, na margem do Rio Tejo.

                                  

Em 23 de Julho de 1833 deu-se aqui um combate entre as tropas liberais, comandadas pelo Duque de Terceira, e as forças miguelistas, comandadas por Teles Jordão. Estas foram derrotadas e as tropas miguelistas no dia seguinte entraram em Lisboa.

                                  

Foi em 1958 que aqui teve lugar o '”Tratado de Cacilhas” , que foi o acordo celebrado entre o General Humberto Delgado e Arlindo Vicente (candidato do PCP), no qual este último desistiria a favor do primeiro, às presidenciais de 1958, contra o Almirante Américo Tomás candidato da União Nacional.

                                   

fotos in: Arquivo Municipal de LisboaBiblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

Para além de uma bonita zona ribeirinha, que tem sofrido diversos trabalhos de melhoramento e reformulação, por forma a adaptar um espaço degradado num agradável espaço de lazer e melhor relação da cidade com o Rio Tejo, Cacilhas é igualmente dona de um interessante Património, como a Igreja de Nossa Senhora do Bom Sucesso (reconstruída em 1759), a estação arqueológica da Quinta do Amaraz que muito tem a dizer sobre a região, ou a Fábrica Romana de Salga de Cacilhas, provavelmente construída no século I d.C..

Sem comentários: