22 de janeiro de 2011

Cine-Teatro Eden

Em 1902, o comerciante de automóveis Albert Beauvalet alugou as antigas cocheiras do Palácio. A enorme e belíssima garagem instalada num enorme hangar de ferro e vidro, e com o nome de "Garage Beauvalet", era uma obra Europeia de monta, naquela que seria a primeira representação da Peugeot em Portugal. No dia da inauguração, em 1906, além do rei D. Carlos, esteve presente o próprio Armand Peugeot, fundador da marca, num evento em que o rei "dignou-se a comprar três automóveis Peugeot".

"Garage Beauvalet"

Garagem Beauvalet & Cª 1906

Em 1909 o stand do senhor Beauvalet muda-se para os baixos do "Avenida Palace Hotel", também na Praça dos Restauradores. No mesmo ano António dos Santos, o mesmo que apresentou pela primeira vez o animatógrafo em Portugal, adquire o edifício e é transformado temporáriamente (1909/1912) em casa de espectáculos e divertimentos de seu nome “Music-Hall”. Era composta por três “hangares”, sendo o principal o segundo, com palco, plateia e carrossel.

“Music-Hall”, inaugurada em Novembro de 1909

 

Aproveitando o esqueleto da Garage, o empresário de teatro Luiz Galhardo encomendou ao cenógrafo Augusto Pina planos para a construção de um Teatro mais amplo do que o improvisado “Variedades”.

1913 Eden Teatro

Esse Teatro, inaugurado no dia 25 de Setembro de 1914, com a opereta “O Burro do Sr. Alcaide” de Gervásio Lobato, é o primeiro Eden, com o nome "Eden Teatro".

Eden Teatro

"Eden Teatro" e o Animatographo “Salão Chantecler

1915

1926

O nome Éden não era inédito na época, conforme salienta o jornal "A Capital" de 15 de Fevereiro de 1918. De facto, um pouco mais abaixo, nos Restauradores, onde hoje encontramos oAvenida Palace Hotel”, existia o "Éden Concerto" (fundado em 1899). Outra sala de espectáculos, com um nome similar foi o "Éden Cinema" inaugurado em 1921 que, situado em Alcântara, na Rua do Alvito, sobreviveu até 1975.

Tapumes durante a construção do novo “Eden”

O novo “Eden Teatro” foi inaugurado no dia 1 de Abril de 1937, com a peça “Bocage”, interpretada por Estevão Amarante, numa cerimónia memorável presidida pelo Chefe de Estado General Óscar Carmona.

“Eden Teatro” e “Cinema Restauradores

Programa da peça “Bocage” da inauguração

Esta última versão, aprovada pela Câmara Municipal de Lisboa em 1933, foi assinado pelo arquitecto Carlos Dias, apesar de o projecto inicial ter sido do arquitecto Cassiano Branco, que devido a desentendimentos com o proprietário, Conde de Sucena, o impediram de ser aprovado. Apesar de sempre ter sido atribuída a autoria do projecto a Cassiano Branco, este nunca a reivindicou como sendo sua.Tinha capacidade para 1.440 espectadores.

Como é referido na 26ª publicação da revista Arquivo Nacional: "Quis o conde de Sucena que o Éden se inaugurasse com peça Portuguesa,(...),e fez muito bem, porque, mais uma vez, demonstrou o seu amor à arte Nacional, como ao instalar bem o povo, no seu teatro(...)".

Teatro  “Eden’”  Cinema

Após a inauguração, o novo Eden apresentaria apenas mais duas revistas. Depois converteu-se definitivamente em sala de cinema sem o prestígio burguês do S. Luís ou do Tivoli (e depois do S. Jorge e do Monumental) mas com o mérito, ao longo de 50 anos de existência, de ser, no coração nobre de Lisboa, uma sala de grande cariz popular. Durante a Segunda Guerra Mundial, o Eden foi o cinema mais concorrido de Lisboa.

Interiores do “Eden”

 

 

 

  

Planta e preçário de 1953

Bilhete de 1968


bilhete gentilmente cedido por Carlos Caria

Nos anos 80 o esplendor e o brilho do Eden apagaram-se com o passar das tardes, em que as bebedeiras e as cenas de pancadaria se tornaram uma constante. Nos últimos anos passava sobretudo filmes de “western” e de artes marciais. Este cinema projectou o derradeiro filme em 31 de Janeiro de 1989. "Os Deuses Devem Estar Loucos II" fecharam as portas do Eden.

Publicidade e Programa

                                                 1928                                                                          1938

        

“Programa” completo

 

Após ter sido adquirido pelo Grupo Amorim, este edifício foi transformado no "Hotel Eden", albergando também a megastore de discos britânica “Virgin. Após o encerramento desta megastore, o espaço foi, e é actualmente, ocupado pela “Loja do Cidadão”.

fotos in: Arquivo Municipal de LisboaBiblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian (Estúdio Mário Novais), Fundação Portimagem

7 comentários:

Ricardo Moreira disse...

Antes da loja do cidadão aquele espaço foi ocupado pela Virgin, com a única loja que a cadeia teve em Portugal e que pouco durou.

Pedro disse...

Por acaso a Virgin tinha outra loja no Porto, que encerrou também.

maria joao disse...

A loja do cidadão encerrou a 31 de Dezembro de 2013.

José Leite disse...

D. Maria João

Muito grato pela sua informação.

Como este artigo acerca do Cine-Teatro Eden, foi publicado em 2011, não poderei colocar a sua informação como há-de compreender.

Os meus cumprimentos

José Leite

Julio Amorim disse...

Era aqui que via o obrigatório "Cantinflas" nas vésperas de Natal !!

Ana Calheiros disse...

Utilizei três fotografias desta publicação com imagens das fachadas anteriores ao Eden Teatro, que agrupei numa só, no meu recentíssimo Blog http://sobrelx.blogspot.pt/ na publicação "VIP Executive Éden Aparthotel".
Tive o cuidado de acrescentar como fonte do conjunto de fotografias o seu blog.
Agradeço desde já o seu contributo "voluntário"...
Caso, assim o entenda, posso retirá-las.

José Leite disse...

D. Ana Calheiros

Esteja à vontade para utilizar do meu blog o que precisar.

Os meus cumprimentos.