29 de junho de 2010

Arnaldo Matos e o MRPP

Arnaldo Matos foi um dos quatro fundadores do “MRPP - Movimento Reorganizativo do Partido do Proletariado”. Começou por ser conhecido pelas camadas de jovens operários e estudantes militantes e simpatizantes do Partido do pós-25 de Abril por “delegado do Comité Lenine”, que era o Comité Central do MRPP.

                               nas eleições de 1979                                            e em tempos mais recentes

                    

O MRPP de inspiração maoísta foi fundado em 18 de Setembro de 1970, numa casa da Estrada do Poço do Chão, em Benfica, Lisboa. Os fundadores foram Arnaldo Matos, Fernando Rosas e João Machado (funcionário dos TLP). Em 1969, Arnaldo Matos ganhou a Associação de Estudantes da Faculdade de Direito, à frente da lista da Esquerda Democrática Estudantil: derrotou então uma lista inspirada pelo PCP e encabeçada por Alberto Costa, antigo ministro da Justiça do PS de 2005 a 2009.

                                                        Dois exemplares, dos livros de Arnaldo Matos

                                

O seu órgão central foi sempre o "Luta Popular", cuja primeira edição foi lançada em 1971 (ainda no tempo da ditadura). O MRPP foi um partido muito activo antes do 25 de Abril de 1974, especialmente entre estudantes e jovens operários de Lisboa e sofreu a repressão das forças policiais, reivindicando como mártir Ribeiro Santos, um estudante assassinado pela polícia política durante uma manifestação ilegal em 12 de Outubro de 1972. Arnaldo Matos era o seu Secretário Geral

                        

O MRPP teve o 1º preso político depois do 25 de Abril de 1974: José Luís Saldanha Sanches , recentemente falecido a 14 de Maio de 2010. O motivo foi o artigo com o título “Nem mais um embarque”  no “Luta Popular” na foto acima, em que apelava à deserção em massa. Clique no jornal para ampliar.

Após a legalização do MRPP a 18 de Fevereiro de 1975, o Conselho de Revolução, numa reunião em 27 de Maio de 1975, decidiu calar o MRPP. Forças militares do COPCON, comandado por Otelo Saraiva de Carvalho atacam o MRPP: em 28 de Maio, foram presos 400 militantes do MRPP, na sua maioria estudantes, em Lisboa. Entre os detidos, Arnaldo Matos preso em Mirandela. Surgiu então, pintada nas paredes da capital, a célebre frase: “Libertação imediata do camarada Arnaldo Matos - o Grande Educador da classe operária”.

                                          Antes da libertação ….                                                   e depois …

                      

A partir de 26 de Dezembro de 1976, o MRPP, após Congresso, passou a designar-se Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses, com a sigla PCTP/MRPP. O seu líder histórico é Arnaldo Matos. O primeiro director do "Luta Popular", na fase legal, foi Saldanha Sanches, a quem sucedeu Fernando Rosas. O jornal chegou a ser diário, durante um curto período.

                       O MRPP e o PCTP  ficaram célebres pelas suas pinturas murais … e a Livraria do MRPP

                        

Hoje o secretário geral do PCTP/MRPP é Luís Franco e seu líder é o advogado Garcia Pereira.

1 comentário:

Manel do Outeiro disse...

Dizem que foram quatro os fundadores, mas depois só idendificam três: Acredito que seja por desconhecimento, como tal aqui vai o nome do outro fundador: Vidaúl Ferreira