26 de julho de 2018

Pousada de Santo António em Serém

A “Pousada de Santo António” em Serém, no Macinhata do Vouga, distrito de Águeda, foi inaugurada em 24 de Setembro de 1942. Projectada pelo arquitecto Rogério de Azevedo (1898-1983), teve a decoração de interiores a cargo do pintor e decorador Carlos Botelho (1899-1982).

A “Pousada de Santo António”, com os seus cinco quartos, era a terceira, de uma série de sete, a entrar em funcionamento, depois de ter sido inaugurada a “Pousada de S. Gonçalo”, no Marão, no mês anterior em 59 de Agosto. Também ele tinha sido projectada pelo arquitecto Rogério de Azevedo.

“Pousada de Santo António” em construção

 

«Na Pousada de Santo António, projecto do arquitecto portuense Rogério de Azevedo e que o grande artista Carlos Botelho primorosamente decorou, os saborosos motivos de arte popular portuguesa, os metais, o mobiliário artisticamente desenhado pela casa Sousa Braga, os azulejos, os tapetes, as passadeiras, o próprio tejolo típicamente regional utilizado, realizaram o mais simpático e confortável conjunto que o mais requintado bom gôsto podia exigir.» in: revista “Panorama”

 

  

 

                                                            Julho de 1943                                                                                 1946

 

Em 1945, a “Pousada de Santo António” foi remodelada na mesma altura em que o seu concessionário passaria a ser Augusto Paramos.

Em 1955 foram efectuadas obras de ampliação na Pousada, pela “Direcção dos Serviços de Construção e Conservação”, tendo sido construída, em 1957, uma garagem com capacidade para oito veículos, além de outras obras complementares da ampliação e substituição de canalizações de abastecimento de água. Em 1959, é construída a rouparia, tendo ocorrido novas obras em 1966.

“Pousada de Santo António” nos anos 60 do século XX

 

Foto de 1992

A partir de 2002 deixou de integrar a rede de “Pousadas de Portugal”, e encontra-se actualmente encerrada e abandonada

 

fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian (Estúdio Mário Novais), Hemeroteca Municipal de Lisboa

1 comentário:

Unknown disse...

Caro José Leite,

Recordo a primeira vez que dormi nesta pousada e acordei de madrugada com o nascer do sol.

Da janela, pude ver a coluna de fumo do comboio a vapor crescendo lá em baixo no vale do Vouga.

Abraço,
Pedro Ferreira