1 de fevereiro de 2018

Circo Mejstrik e a Feira de Alcântara

A nova "Feira d’Alcantara" teve a sua estreia em 1 de Maio de 1904, vindo substituir a anterior que se tinha estreado em 1892, também chamada “Feira de Maio” ou “Feira do Casal de Rolão”. Esta, por sua vez, tinha vindo substituir a "Feira das Amoreiras", que tinha funcionado no Largo das Amoreiras entre 1851 e 30 de Junho de 1891. Tal como esta feira, a nova "Feira d’Alcantara" funcionava entre 1 de Maio e 30 de Junho de cada ano.

“Feira d’Alcantara” em 1 de Maio de 1904

Notícias no jornal “Folha de Lisboa”, em 1 de Abril de 1899 …

E em 29 de Junho de 1902 …

A propósito da nova “Feira d’Alcantara”, a revista "Illustração Portugueza" comentava:

«A feira, aquella tradicional feira das Amoreiras e de Belem, em que realmente se feirava os peros, e outros fructos, feiras que eram bem portuguezas, foram a abastardar-se aos poucos, e agora alem, n'aquelle terreno junto a Alcantara mar, é como um acampamento, apresenta-se quasi monotono com a sua pretenção civilisada.
Ha grande numero de theatros, circos, espectaculos de todas as naturezas, barracas em que se expõem animatographos, faltando, no entanto, as antigas curiosidades que marcavam todo o pittoresco da diversão popular.
Já não se ouve o palhaço á porta das barracas, já não vem de esgares e chamar o publico; agora tudo mudou, o personagem com muito de caracteristico passou o seu logar a uma turba anodyna que faz negocio como em lojas da Baixa, detraz do balcão, sem um dito, burguezmente, rondando todo o cunho a essa feira popular, feira de marinhagem e de operarios, onde os instrumentos soprados com firmeza lançam, não o atordoamento, mas a desagradavel confusão. Ha, no entanto, algumas barracas interessantes, sendo para notar o numero enorme de restaurantes que se installaram este anno no local da feira, que em Agosto - ao que dizem - irá para Belém.»

 

Realmente a “Feira d’Alcantara” foi, a par da “Feira d’Agosto”, inaugurada nos terrenos do futuro Parque Eduardo VII em 30 de Julho de 1910, a que mais teatros - ou melhor, teatrinhos desmontáveis - e animatógrafos oferecia, além de alguns circos dos quais se destacou o “Circo Majestrik” que, apesar de em 1904 não ter apostado em publicidade, já em 1905 apostaria forte, anunciando nos periódicos de então, com destaque especial para o “Diario Illustrado”.

Artigo na revista “Illustração Portugueza” em Maio de 1905

        

O “Circo Mejstrik” foi fundado, creio, em 1904 por Clotilde Mejstrik, tendo aparecido pela primeira vez na “Feira d’Alcantara”, nesse mesmo ano. Clotilde Mejstrik era filha do professor de equitação Hulf, e nasceu em Franeufeld, na Suiça, em 1861. Muito nova dedicou-se aos trabalhos de equitação, sendo discípula de seu pai e de seus irmãos, mestres na arte.

          

A «formosa, attrahente, e notavel como artista» apareceu pela primeira vez, em 1890, no “Colyseu dos Recreios”, conseguindo «desde a primeira noite em que exhibiu os seus trabalhos em publico, alcançar espontaneos applausos, e adquirir a estima dos espectadores». Percorreu todos os circos da Europa, tendo trabalhado em Paris, no hipódromo, e nas "Folie Bergère", apresentando cavalos ensinados em alta escola e outros em liberdade.
Depois de actuar em Lisboa, foi até á cidade do Porto onde «os applausos do Porto dispensados a Majestrik egualaram se é que não aclypsaram os de Lisboa.»

No dia 25 de Maio de 1890 estreou-se nas lides tauromáquicas na "Praça de Touros do Cartaxo", com assinalável êxito, ao que se seguiu a sua estreia na "Praça de Touros de Cintra" a 8 de Junho seguinte. De seguida publico os anúncios ás duas corridas, onde se pode observar que Clotilde Mejstrik, ainda desconhecida, na do Cartaxo ainda não aparecia no cartaz. Por outro lado, na sua estreia em Sintra, e após a sua estreia auspiciosa no Cartaxo, já aparecia no respectivo cartaz …

        

Almoço no “Eden Hotel”, em Colares no dia seguinte à corrida

“Indianapolis News” em 19 de Julho de 1890

Clotilde Mejstrik depois de abandonar a sua carreira tauromáquica, funda em 1904 o “Circo Mejstrik”, aparecendo nos jornais da época como “Circo Mejstrick”. Ao consultar vários periódicos da época, reparei nas variantes escritas ao apelido original, e correcto,  Mejstrik, como:  Majestrick; Mejstrick; Mesjtrich; Maestrick … De referir que a única publicação que indicou o nome correctamente, foi a revista teatral “Grande Elias”, num pequeno apontamento que publico.

Artigo no jornal teatral “Grande Elias” e lista de espectáculos na “Feira de Alcântara”, em 16 de Junho de 1904

       

Montagem do Circo Mejstrik

1905

Pelo que me deu a entender, o “Circo Mejstrik” terá tido uma curta existência, de cerca de 2 anos, já que a referência ao mesmo, na imprensa escrita da época, se limitou a 1904 e 1905.

1905

 

               “Feira de Alcântara” em 15 de Maio de 1905                            “Feira de Alcântara” em 12 de Julho de 1907

  

A “Feira d’Alcântara”, acabou em 30 de Junho de 1911, tendo ainda contado com o “Theatro Chalet Julia Mendes”, e o “Chantecler Chalet”, mas não se mudaria para Belém, como a revista “Illustração Portugueza” indicava essa possibilidade, mas sim para a ”Feira de Santos”, que teve o seu início em 1 de Maio de 1915, junto à Estação de Caminho de Ferro de Santos.

“Feira de Santos”, em 1915

 

Fotos in:  Arquivo Municipal de Lisboa, Hemeroteca Municipal de Lisboa

2 comentários:

Luis Eme disse...

Muito bom, como de costume.

José Leite disse...

Caro Luís Eme

Grato pelo seu comentário

Cumprimentos