Restos de Colecção: Arredores de Lisboa

Notícias do Blog

A interrupção na publicação de novos artigos deve-se ao facto de se verificar um problema de ligação entre o editor de blog ("OpenLiveWritwer") e a "Google". Julgo que muito em breve, a exemplo de outras vezes, o problema ficará solucionado // Para conhecer as novas funcionalidades e aceder a novas plataformas de informação neste blog, consulte a "Folha Informativa", disponível na barra lateral    //    Para melhor conhecimento destas alterações aconselha-se, igualmente, uma visita, ou revisita, ao "Guia do Blog", disponível tambem na mesma barra lateral

20 de julho de 2011

Arredores de Lisboa

                                                                  Paço do Lumiar, em 1903

                                       

                                                                Sacavém e sua ponte, em 1903

                                       

                                       Senhor Roubado, em 1903 (ao fundo lugar da futura Odivelas)

                                       

                                 Algés, em 1901 (Primeira linha de eléctrico da Carris em 31-08-1901)

                                        

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa

5 comentários:

Anónimo disse...

quem passa agora por Sacavém e olha para o trancão não diz de maneira alguma que já se pescou em tal lugar

1143

José Leite disse...

1143 ...

O rio Trancão foi navegável, até finais do século XVIII até Frielas.

A profundidade do Trancão em Sacavém permitia ainda no princípio do século XX a navegabilidade até esta povoação de batelões de carga, e barcos de pesca, de uma razoável dimensão e calado.

Foi assoreando, assoreando ... e hoje talvez uns barquitos a remos e pouco mais.

Cumprimentos

José Leite

Maxwell disse...

Nunca diria que aquele é o mesmo Trancão e a foto nem é muito velha (pouco mais de 100 anos). Por curiosidade, a que se deve o assoreamento deste rio?

José Leite disse...

Caro Maxwell

O assoreamento do rio fica a dever-se a vários factores tais como erosão das margens, deslize de terras a quando das chuvas, detritos de esgotos ao longo do rio e entrada de areias pela foz nas marés.

Para evitar o assoreamento, o rio deveria ter sido dragado, limpas as margens etc, de tempos em tempos e como não foi ...

Cumprimentos

J. Leite

Maxwell disse...

Portanto o assoreamento neste caso não se deve a factores naturais apenas. O mesmo se passa com o próprio Tejo, suponho.