25 de fevereiro de 2018

Telebanco BPA e Auto-Banco BPSM

O serviço "Telebanco", em Portugal, foi inaugurado pelo "BPA - Banco Português do Atlântico" (1942-1980), em 20 de Dezembro de 1965, na Praça D.João I, no Porto, defronte do seu edifício-sede, denominado “Palácio Atlântico”, inaugurado em 6 de Janeiro de 1951.

Um “Porsche” 356 Roadster foi utilizado para o primeiro teste do “Telebanco”

O "Telebanco" era essencialmente uma caixa automática, que permitia receber cheques e fazer depósitos sem sair do carro e sem  intervenção directa de qualquer funcionário bancário. Este serviço tinha nascido nos Estados Unidos da América, resultado do uso intensivo dos automóveis e da consequente dificuldade de estacionamento nas imediações das agências bancárias.

“Palácio Atlântico”, edifício-sede do Banco Português do Atlântico”, na Praça D. João I, no Porto

«Com este novo sistema acabaram-se, práticamente, para os homens de negócios, as perdas de tempo escusadas com o estacionamento dos seus carros, que é um dos problemas fundamentais do trânsito no Porto. Assim, bastará ao cliente dirigir-se ao telebanco e, sem sair do carro, premir o botão de chamada. Imediatamente, aparecer-lhe-á no écran a imagem de uma funcionária amável que o atenderá. Entretanto terá preenchido e assinado o cheque a apresentar ou o talão de depósito a efectuar, que poderá procurar na gaveta dos impressos, situada sob o écran.
Então, pelo tubo pneumático, ser-lhe-á enviado um transportador, que devolverá, após ter-lhe introduzido os documentos ou valores da operação que pretende fazer. Breves segundos depois, receberá, pela mesma via, o recibo de depósito efectuado ou a importância do cheque apresentado.»

20 de Dezembro de 1965

A primeira pessoa a utilizar o novo sistema "Telebanco" foi Artur Cupertino de Miranda (1892-1988) - Presidente e fundador do BPA  em 31 de Dezembro de 1942, por transformação da sociedade "Cupertino de Miranda & C.ª" (1931) - que se fazia transportar no seu automóvel, acompanhado do comandante da PSP, coronel Santos Júnior, e do engenheiro Arsénio da Fonseca, da Câmara Municipal do Porto.
«Após ter premido o botão de chamada, apareceu no écran do telebanco a figura gentil da funcionária sra. D. Laura Moreda, que, reconhecendo-o, o saudou com um "muito bom dia sr. presidente", perguntando em seguida qual a operação que desejava efectuar. Informada e já depois do cheque ter seguido no pneumático, segundos depois o sr. Cupertino de Miranda recebia a importância do cheque apresentado, e ainda um isqueiro-brinde igual aos que receberão os primeiros utentes do telebanco.»

O Presidente do BPA, Artur Cupertino de Miranda, inaugurando o serviço

Para tudo o sistema funcionar rápida, correctamente e com segurança, «os orgãos técnicos postos em operação são muito importantes, tais: o sistema de transporte em tubos pneumáticos de elevada potência (velocidade da ordem dos 5m/seg.) e secção; comunicação em circuito fechado para transmissão e recepção das imagens do cliente e do operador; sistema duplex de intercomunicação audio para permitir em boas condições a audição da conversação, anulando ruídos ambiente;
sistemas variados e complexos de telemovimento e telecomando e contrôle, que permitem executar na cabina os movimentos necessários á execução da ordem do cliente; e, finalmente, sistemas de climatização e iluminação da cabina que permitem a transmissão de boas imagens e o trabalho da aparelhagem delicada que equipa essa cabina em ambiente devidamente condicionado.(...)» citações in : jornal “Diario de Lisbôa”

Em 21 de Maio de 1968, o “Banco Português do Atlântico”, inauguraria na agência da Praça dos Restauradores em Lisboa, a primeira máquina de “SELFBANCO” , similar às actuais MB, mas só permitindo levantamentos de dinheiro numa quantia fixa de 200$00 (1 €), entregue numa pequena embalagem.

“SELFBANCO” inaugurado em 21 de Maio de 1968

Entretanto, e como, naquele tempo, a concorrência entre bancos era grande, o “BPSM - Banco Pinto e Sotto Mayor” (1925-2000) - fundado em 28 de Março de 1925, por transformação da “Casa Bancária Pinto & Sotto Mayor” (1914) - não perdeu tempo, e no ano seguinte inaugurou o seu “Auto-Banco”, com entrada pela Rua Duque de Palmela e saída na Avenida da Liberdade, em Lisboa. Coincidência ou não, a sua inauguração foi exactamente no mesmo dia e mês, que o “Telebanco” do BPA comemorava o seu primeiro aniversário, 20 de Dezembro de 1966.

Saída do “Auto-Banco”, na Avenida da Liberdade

                                20 de Dezembro de 1966                                                            28 de Janeiro 1967

 

«Lisboa conta, a partir de hoje, com uma nova dependêmcia urbana do Banco Pinto & Sotto Mayor. Não se trata, no entanto, de uma vulgar agência bancária, mas verdadeiramente de um novo serviço realizado em moldes inéditos.
O Banco Pinto & Sotto Mayor, ao lançar mais esta iniciativa, procurou servir não só os seus clientes mas todos os automobilistas que pretendam fazer depósitos, operações de câmbio ou receber cheques de qualquer agência do Banco dentro da área da "Grande Lisboa", que compreende além da cidade, Cascais, Sintra, Almada, Algés, Moscavide e Loures.»


gentilmente cedido por Carlos Caria

O sistema deste banco era diferente do “Telebanco” do BPA. Aqui, ao entrar, pela Rua Duque de Palmela, no túnel do prédio da agência, o carro encostava num guichet e o condutor era atendido, para as devidas operações bancárias, pelo funcionário, colocando os valores, ou recebendo, através de uma gaveta. Depois de atendido, a viatura saía na Avenida da Liberdade.

Tanto o sistema “Telebanco” como o “Auto-Banco”, tiveram vida curta. O sistema “Telebanco” era mais desconfortável para o utilizador, já que não estava protegido pelas intempéries estando a máquina de atendimento localizada ao ar livre, enquanto o “Auto-Banco”, nesse aspecto, era bem mais confortável. Mas, como referi, ambos não vingaram.

Só em 1985, seriam estreadas as primeiras doze caixas “Multibanco (MB)”, em Lisboa e Porto, como as conhecemos hoje. Segundo a “SIBS - Sociedade Interbancária de Serviços SA”, existem cerca de treze mil máquinas “MB”, instaladas em todo o país.

fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian (Estúdio Mário Novais), Arquivo Municipal de Lisboa, Jornal de Notícias

4 comentários:

CR 35 disse...

Que interessante, nunca tinha lido ou ouvido falar deste sistema

Artur Agostinho Chaves disse...

O Telebanco nem era uma caixa automática (se quisermos referir-nos à tecnologia) nem era um caixa automático (se quisermos referir-nos à função análoga à do caixa de balcão). Era apenas uma caixa com o equivalente a um vídeo-porteiro e com um terminal de tubo de sucção. Seria talvez um terminal de atendimento presencial remoto.

Anónimo disse...

"Cindência ou não..."
Caiu, sem querer, o "O". Excelnte artigo. Muito obrigado.
Gonçalo

José Leite disse...

Caro Gonçalo

Grato pela chamada de atenção e pelo seu amável comentário.

Cumprimentos