Restos de Colecção: Exercícios do BSB de Lisboa em 1930

Notícias do Blog

Lembro que a página "Ano ou Data de Inaugurações e Eventos", disponível no menú "Dados Históricos", é actualizada regularmente com novas entradas // Para conhecer as novas funcionalidades e aceder a novas plataformas de informação neste blog, consulte a "Folha Informativa", disponível na barra lateral    //    Para melhor conhecimento destas alterações aconselha-se, igualmente, uma visita, ou revisita, ao "Guia do Blog", disponível tambem na mesma barra lateral

27 de novembro de 2014

Exercícios do BSB de Lisboa em 1930

Em 1930, por ocasião do juramento de novos recrutas do “Batalhão de Sapadores de Lisboa” de Lisboa, teve lugar a simulação de um incêndio, na casa-escola do quartel da Avenida D. Carlos I - construído no antigo Convento da Esperança entre 1899 e 1901 -, onde foram executadas diferentes manobras e exercícios. A este evento esteve presente o Presidente da República, o general Óscar Carmona, que foi até hoje, dos que manteve maior relação com os bombeiros portugueses, tendo estado presente em inúmeros eventos de associações e corpos de bombeiros por todo o país.

 

 

Recordo, que foi neste ano de 1930, que o “Corpo de Bombeiros Municipais de Lisboa” - CBML passou a “Batalhão de Sapadores de Lisboa” - BSB. Em 1928, existiam no CBML 46 veículos de tracção mecânica, 40 de tracção animal e 7 de tracção braçal.

RSB em 1930.4 RSB em 1930.5

 

 

Com a passagem do “Corpo de Bombeiros Municipais de Lisboa” a “Batalhão de Sapadores Bombeiros”, e no ano em que completava 535 anos de existência, o serviço de incêndios sob a jurisdição da Câmara Municipal de Lisboa, sofreu novo incremento, verificando-se, por exemplo, a aquisição de 29 novas viaturas.

Viaturas adquiridas pelo “Batalhão de Sapadores Bombeiros”

A renovação do equipamento dos bombeiros originou um concurso ao qual responderam 14 fabricantes, tendo ganho a “Mercedes-Benz”, juntamente com equipamento específico de combate a incêndio de “Carl Metz”.

Na foto anterior, temos na primeira linha, da direita para a esquerda, o carro do comandante, o de comandante de companhia e um dos carros de subalterno de serviço. Todos contêm material de combate a incêndio, na devida proporção. Na segunda fila, um pronto-socorro, uma escada “Magirus” e, provavelmente, um auto-tanque.
Os 29 carros tinham a seguinte tipologia:
Carros do primeiro e segundo comandante - 2
Carros dos comandantes de companhia - 5
Carros dos subalternos de serviço - 5
Prontos-socorros - 15
Auto-tanques - 2

Estas viaturas estiveram expostas no Terreiro do Paço, antes do Desfile de Sapadores Bombeiros em 1931
Em “Mercedes-Benz em Portugal “de Adelino Dinis.

 

RSB em 1930.10

Foi, também, neste ano a 18 de Agosto de 1930, que foi fundada a “Liga dos Bombeiros Portugueses”, passando a ser confederação das associações e corpos de bombeiros de qualquer natureza, voluntárias ou profissionais.

“Liga dos Bombeiros Portugueses”, foi fundada num momento de alguma desorganização dos bombeiros voluntários, motivada pela falta de uma associação que, a nível nacional, congregasse, representasse e desse novo impulso às instituições então existentes. Pensava-se, na altura, que a militarização dos bombeiros em geral fosse o melhor caminho a seguir. Deveu-se, contudo, ao general Óscar Carmona, o afastamento de tal ideia.

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa

3 comentários:

João Celorico disse...

Caro José Leite,
este “post” além de me trazer à memória os fins dos anos 40, quando da minha janela, por entre prédios, descortinava o edifício dos BSB de Lisboa e estava atento a todas as saídas, assinaladas pelo som da campaínha para actuar os semáforos, e o cortejo de viaturas que se lhe seguia, faz-me pensar que, na Lisboa de outros tempos, haveria pouco espaço para o povo habitar.
Se não, vejamos! Tudo em volta eram conventos e palacetes. Os Conventos, de São Bento, das Francesinhas, da Esperança, das Bernardas, de Santos-o-Velho e das Trinas, para um lado; de Jesus e dos Paulistas para outro. Os palacetes, havia dois no largo Dr. António de Sousa Macedo (antigo largo do Poço Novo); um na esquina da rua de São Bento com a rua do Poço dos Negros; dois ou três, no largo do Conde Barão; um na calçada do Marquês de Abrantes; um em Santos-o-Velho, antiga Escola Fonseca Benevides; e decerto, mais alguns que, de momento, não recordo.
Com tudo isto, ainda haveria espaço para o povo?

Cumprimentos,
João Celorico

Unknown disse...

Caro José Leite,

A renovação do equipamento dos bombeiros originou um concurso ao qual responderam 14 fabricantes.
Ganhou a Mercedes-Benz com equipamento específico de combate a incêndio de Carl Metz.
Na foto temos na primeira linha, da direita para a esquerda, o carro do comandante, o de comandante de companhia e um dos carros de subalterno de serviço. Todos contêm material de combate a incêndio, na devida proporção.
Na segunda fila, um pronto-socorro, uma escada Magirus e, provavelmente, um auto-tanque.
Os 29 carros tinham a seguinte tipologia:
Carros do primeiro e segundo comandante – 2
Carros dos comandantes de companhia – 5
Carros dos subalternos de serviço – 5
Prontos-socorros – 15
Auto-tanques – 2
Estas viaturas estiveram expostas no Terreiro do Paço no início do Verão de 1931.
Em “Mercedes-Benz em Portugal “de Adelino Dinis.

Abraço,
Pedro Ferreira

José Leite disse...

Caro Pedro Ferreira

Muito grato pela sua habitual e preciosa colaboração.

Infelizmente a par do leitor João Celorico, continuam sendo os únicos que vão colaborando nesta "epopeia".

Mas, vale mais "poucos que nenhuns".

Abraço

José Leite