12 de abril de 2016

Restaurante “Negresco”

O restaurante, bar, salão de chá e dancing (a partir de 1946) de luxo “Negresco”, - que veio ocupar as instalações de um salão de bilhares - foi inaugurado em 5 de Março de 1937, na Rua Jardim do Regedor, em Lisboa. Foi projectado pelo arquitecto Jorge Segurado (1898-1990) e decorado por Venancio Nascimento.

Postal (frente e verso) de 1937

 

     Primeira publicidade em 5 de Março de 1937                        Publicidade “colateral” a 6 de Março de 1937

 

O “Negresco” que se intitulou «o melhor e mais luxuoso restaurante do país», foi inicialmente propriedade de Ângelo Pereira, que já era proprietário do “York Bar”, igualmente projectado pelo arquitecto Jorge Segurado, e «o bar mais luxuoso da capital», inaugurado em 12 de Outubro de 1935, na Rua Serpa Pinto, em Lisboa.

“York-Bar” na Rua Serpa Pinto

                                               1935                                                                                        1943

 

24 de Dezembro de 1944

O restaurante de luxo “Negresco” foi frequentado por boémios, fadistas e gentes do teatro como Amália Rodrigues, Laura Alves,e tantas outra pessoas como, Arquiduque de Austria, etc. Foi, igualmente, neste local onde tocaram pioneiros do jazz português como Almeida Cruz, Carlos Menezes e o maestro Jorge Costa Pinto.

 

6 de Outubro de 1946

Ementa de 5 de Maio de 1954

  

Em 1971, encerraria definitivamente, já como pastelaria e restaurante. Mais tarde as suas instalações seriam ocupadas por muitos anos pelo “Bonjardim”, que mantinha um self-service no rés-do-chão e restaurante de luxo no 1º andar. Mais recentemente, depois de encerrado seria substituído pelo “Valentino - Ristorante e Pizzeria”, que por sua vez seria substituído pelo actual restaurante pizzeria, “Da Vinci”.

24 de Dezembro de 1970

A actual Pizzeria e Ristorante “Da Vinci”

fotos in: Hemeroteca Digital, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Delcampe.net

1 comentário:

Manuel Tomaz disse...

Muito interessante! De realçar os preços em 1954. Mas, naqueles tempos, era só para elites!