Restos de Colecção: O Foguete

Notícias do Blog

A publicação de novos artigos foi retomada, com a resolução do problema que afectava o editor "Open Live Writer" // Lembro que a página "Ano ou Data de Inaugurações e Eventos", disponível no menú "Dados Históricos", é actualizada regularmente com novas entradas // Para conhecer as novas funcionalidades e aceder a novas plataformas de informação neste blog, consulte a "Folha Informativa", disponível na barra lateral    //    Para melhor conhecimento destas alterações aconselha-se, igualmente, uma visita, ou revisita, ao "Guia do Blog", disponível tambem na mesma barra lateral

15 de agosto de 2009

O Foguete

A viagem inaugural do "Foguete" entre Lisboa e Porto em Abril de 1953. Nesta foto a atravessar a ponte D. Maria Pia no Porto. 

                                  

«Em pouco mais de quatro horas”, sem incidentes e dentro do horário previsto» o novo comboio ligou Santa Apolónia, em Lisboa à estação de S. Bento, no Porto. Assim dava conta o Boletim da CP de Abril de 1953, com referência à viagem oficial inaugural daquele que ficou conhecido como “o foguete”.

Com duas automotoras e uma lotação de 174 lugares em composição normal, eram muito cómodos, pois os assentos ofereciam a facilidade de se poder mudar a posição dos encostos. O “Foguete” ficou conhecido nas décadas de 1950 e 1960 pela inovação no conforto e luxo para a época dos serviços prestados relativamente aos anteriores “Rápidos”, que faziam a mesma ligação em cinco horas.

O novo comboio era composto por uma automotora FIAT série 500-1953 a diesel , que substituiu a composição de máquina e carruagens. A CP comprou três comboios construídos em Itália. Circulavam a uma velocidade máxima de 120 km/h e tiveram, em média, uma ocupação diária de 356 passageiros, em 1956, e de 382 no ano seguinte, de acordo com estatísticas da época citadas por José Eduardo Neto da Silva e Jaime Amaro na edição n.º 0 do 1º trimestre de 2002 da publicação “O Foguete”.

                                   

Tinha ar condicionado e «serviço de refeições servidas no lugar ocupado pelo passageiro», esclarecia o boletim da CP. As carruagens eram todas de primeira classe, tendo os passageiros que pagar taxa de velocidade e marcação de lugar. Além das elites nacionais – artistas de cinema e teatro, futebolistas e classe política - viajava sempre uma brigada de mecânicos para resolver avarias. Foram, de resto, as constantes avarias que deixavam, por diversas vezes, o “Foguete” em plena via, que marcaram o princípio do fim deste comboio.

Sem comentários: