Restos de Colecção: Camisaria Moderna

Notícias do Blog

Lembro que a página "Ano ou Data de Inaugurações e Eventos", disponível no menú "Dados Históricos", é actualizada regularmente com novas entradas // Para conhecer as novas funcionalidades e aceder a novas plataformas de informação neste blog, consulte a "Folha Informativa", disponível na barra lateral    //    Para melhor conhecimento destas alterações aconselha-se, igualmente, uma visita, ou revisita, ao "Guia do Blog", disponível tambem na mesma barra lateral

9 de janeiro de 2019

Camisaria Moderna

A "Camisaria Moderna" que esteve instalada na Praça D. Pedro IV (Rossio), e propriedade da firma "Camisaria Moderna, Lda.", (fundada por António Regojo Rodriguez), terá tido origem na loja com o mesmo nome, fundada em 6 de Julho de 1876 no número 105, sendo na altura propriedade da firma "Pereira da Costa & C.ª".

António Regojo Rodriguez (1904-2003), nascido em Fermoselle, Zamora, junto à Barragem da Bemposta e filho dum agricultor, veio para Portugal com 14 anos, tendo iniciado a sua vida de comerciante, na Baixa lisboeta a vender rendas. Depois, foi «muito trabalho e economia». «Não gastava dinheiro em rigorosamente nada» relatou o próprio.

António Regojo Rodriguez (1904-2003)

Em 1919 fundou a primeira empresa nacional de confecções, a “J. R. Rodriguez, Lda.”, situada na rua das Pedras Negras, onde se fabricavam camisas com a marca “Regojo”. A sua grande concorrente era  a já famosa Ramiro Leão & C.ª”, instalada na Rua Garrett.A fábrica funcionava em dois andares e tinha oito funcionários.

      

Mais tarde, a fábrica transferiu-se para a Rua de S. Lázaro e rapidamente a empresa entra em franca e próspera expansão, passando a confecionar, além das camisas, pijamas e polos. Em pouco tempo, o número de funcionários rondava os trezentos. Nos anos 40 do século XX, já esta estava instalada na Rua José António Serrano, ficando as instalações da Rua de S. Lázaro para escritórios.

Entretanto, em 1932, o galego António Regojo Rodriguez compra o trespasse da “Camisaria Moderna” por 165 contos (165.000$00). Só me faltou conseguir confirmar se, neste ano, este estabelecimento já estava instalado no número 110 ou ainda no número 105, onde tinha sido fundado.

6 de Julho de 1876

                                     25 de Agosto de 1941                                                           10 de Novembro de 1941

 Factura gentilmente cedida por Carlos Caria 

“Camisaria Moderna” dentro da elipse desenhada e ao lado do “Café/Restaurante Irmãos Unidos”

A seguir publico uma série de fotos do interior da “Camisaria Moderna”, publicadas na revista “Século Ilustrado” de Dezembro de 1953 e gentilmente cedidas pelo blog “coisasdeantigamente.marr”. Nestas fotos os célebres pássaros que habitavam e voavam livremente dentro da loja. «Há aproximadamente um ano (1952) que um pintassilgo ferido procurou refúgio no meu estabelecimento. Sentiu-se bem e decidiu ficar e a docilidade da sua permanência fez-me pensar na possibilidade de manter um viveiro de pássaros em liberdade no interior da minha loja. E o que pensei aconteceu... claro que não os soltei aqui dentro todos de uma só vez! "

Interior da “Camisaria Moderna” e António Regojo

            

 
Imagens gentilmente cedidas pelo blog “
coisasdeantigamente.marr

                                                1953                                                                                         1955

            

Sucursal da “Camisaria Moderna” em Madrid e sus 110 pajaritos in completa libertad

Em 1970, a “Camisaria Moderna” adquire o trespasse da loja a seu lado, até então ocupada pelo café e restaurante Irmãos Unidos”, ampliando assim as suas instalações.

Em 1972, com o nascimento de uma nova empresa, a “Confecções Regojo Velasco”, consubstancia-se a entrada da segunda geração da família na administração das empresas do grupo. Fundada pelo genro do fundador, Jaime Velasco Regojo, a nova fábrica dedicava-se à produção de roupa de senhora com a marca “Dali”.

Em 1980, sob a direcção de Teresa Regojo, após o falecimento prematuro de seu marido Jaime Regojo, foi criada um outra unidade fabril, a “Aissela - Sociedade Europeia de Confecções”, que traz para Portugal a representação da marca “Pierre Cardin”. O ano de 1982 marca o início de uma nova época, o esboço do actual “Grupo Regojo”. A equipa de gestão é alargada à terceira geração da família. Os filhos mais velhos de Teresa e Jaime Regojo assumem responsabilidades na gestão das empresas, mantendo viva uma forte preocupação em acompanhar a evolução do mundo e dos mercados da moda. No seguimento desta nova fase, em 1984, inicia-se a comercialização de vestuário através da “DIMODA”. Esta empresa vai representar e distribuir marcas de prestígio internacional no nosso país.

      

No final da década, com o incremento da concorrência dos fabricantes do sudeste asiático, a perspectiva de quebra no comércio tradicional multimarca e o despoletar de fenómenos como o franchising de marcas com notoriedade internacional, a família Regojo decide investir na comercialização monomarca, através do regime de franquia e de marcas próprias.

Quanto à loja “Camisaria Moderna”, encerrou definitivamente em 2016.


gentilmente cedido por Carlos Caria

Para terminar, recordo uma passagem dum artigo, acerca da “Camisaria Moderna”, da autoria de Ricardo Dias Felner  e publicada no jornal “Público” em 14 de Janeiro de 2002, quando António Regojo já tinha 98 anos de idade:

«”Sempre trabalhei muito, nunca pelo dinheiro, sempre para poder ajudar os outros”, garante o comendador, ateu, apesar da educação religiosa, democrata, apesar de contar com condecorações de Franco e Salazar. Entre o rol interminável de benfeitorias, que levam "80 por cento do lucro da empresa", contam-se cerca de 50 ambulâncias doadas a bombeiros voluntários, três fundações (uma em Lisboa, duas em Espanha), várias bolsas concedidas a estudantes da sua aldeia, aparelhos para hospitais, o sistema de intercomunicações da paróquia de Fermoselle, operações pagas a crianças com problemas de vista e a outros doentes, doações várias à Cruz Vermelha, a museus. A decoração do seu escritório atesta-o para quem duvidar. Estão lá vários agradecimentos com a assinatura de D. Juan Carlos, Franco, Salazar. Do presidente da Cruz Vermelha, dos Lions, dos comandantes dos Bombeiros de Leiria, de Lisboa, de associações de deficientes..»

fotos in: Hemeroteca Municipal de LisboaArquivo Municipal de Lisboa, Hemeroteca Municipal de Lisboa, Estação Cronográfica, Rua dos Dias que Voam, coisasdeantigamente.marr, Grupo Regojo

2 comentários:

Manuel Tomaz disse...

Conheci pessoalmente António Regojo Rodriguez na década de 90. Um galego que veio para Portugal quando rapaz e que, como todos os espanhóis, nunca aprendeu a falar português corretamente… Mas foi um filantropo excecional! Ontem, ao passar no Rossio, no quarteirão da sua loja e também da Pastelaria Rossio, senti a grande diferença dos tempos em que etas lojas funcionavam.

Pedro Silva disse...

Eu tive o privilégio de trabalhar na Camisaria Moderna... o Comendador António Rodriguez Regojo foi o meu primeiro Patrão. Um Homem visionário..
Com ideais muito vincados...aprendi muito nesta grande casa... diria até una referência na Baixa Lisbieta... uma casa outrora de Elite e Excelência...