4 de outubro de 2018

Sassetti & C.ª

A casa “Sassetti & C.ª ” foi fundada em Janeiro de 1848 por João Baptista Sassetti (1817-1889), na, então, Rua Nova do Carmo (actual Rua do Carmo), em Lisboa. Tratava-se de uma casa para venda e aluguer de pianos e pautas de música, tornando-se, mais tarde, numa das primeiras casas editoras discográficas do país.

Loja “Sassetti & C.ª ” e sua localização (dentro da elipse desenhada), na Rua do Carmo, 56

  

Loja da “Sassetti & C.ª ” depois de ser substituída pela “Materna” e inaugurada em 18 de Dezembro de 1963

Sassetti & C.a.3

João Baptista Sassetti nascido em Sintra em 9 de Agosto de 1817 era filho de Victor Domingos Sassetti dono do Hotel Victor Sassetti em Sintra, e que tinha vindo viver para Portugal em 1801. Por morte de Victor Domingos Sassetti sucedeu-lhe na gerência do Hotel seu filho Victor Sassetti, nascido em 19 de Novembro de 1811. Este abrevia o nome do Hotel para "Hotel Victor", tornando-o num dos hotéis, mais requintados e requisitados pela aristocracia e turistas estrangeiros que, ou passavam férias e temporadas ou simplesmente visitavam a Vila de Sintra. Acerca da história ilustrada deste Hotel consultar neste blog o seguinte link: “Hotel Victor em Sintra”.

Hotel Victor” em Sintra

Acerca de João Sassetti o “Diccionario Biographico de Musicos Portuguezes” de Ernesto Vieira, e publicado em 1900, relatava:
«Nasceu em Cintra no anno de 1817. Estudou musica no Seminario Patriarchal, e tornou-se excellente pianista, tendo
tido por mestre frei José Marques.
Activo e emprehendedor, entendeu-se com um capitalista que lhe forneceu os meios de estabelecer uma casa para venda
e pianos e musicas, casa que se inaugurou no mesmo local onde ainda existe, em principios de janeiro de 1848.
A casa prosperou, e Sassetti foi progressivamente alargando o seu commercio tornando se também editor. Estabeleceu uma officina de gravura de musica, pelo processo da calcographia, e fez publicar grande quantidade de obras em todos os generos, especialmente para piano e para canto.
As edições impressas na casa Sassetti são muito perfeitas e nitidas, absolutamente identicas ás melhores que no seu tempo vinham do estrangeiro. Graças a essa vantagem, e tambem á concorrencia que faziam os editores Figueiredo e Lence, cujas publicações eram litographadas, o commercio da musica entre nós viveu e prosperou quasi independente da industria estrangeira. Hoje acha-se infelizmente perdida de todo essa independencia, que tão util nos seria.
João Baptista Sassetti falleceu a 3 de outubro de 1889, deixando aos seus herdeiros uma bella fortuna e um nome muito considerado pela sua importancia e probidade commercial. »

Quanto à abertura  da loja "Sassetti & C.ª", na Rua Nova do Carmo, 56, em Lisboa e em 1848, a "Revista Universal Lisbonense" escrevia a propósito:

«... Na mesma rua abriu um elegante armazem de musica e de pianos pertencente ao Sr. Sassetti e C.ª. Vimos nesta loja alguns objectos de gosto vindos da Allemanha.
Entre outros, dous quadros a oleo, que merecem ser admirados: um é o estudo de uma cabeça de um velho; e o outro representa um veterano visitando o cemiterios; e expressão do veterano é feliz e contrasta com a figura do coveiro, que lhe fica ao pé. pareceu-nos este quadro mais bem acabado, do que o outro, que talvez não tenha os acessorios em harmonia, com a verdade do colorido da carne.
A collecção de musica é variada e bem escolhida. Não admira, porque tendo parte neste estabelecimento o Sr. Sassetti, bem conhecido como excelente mestre de piano, é uma boa garantia em favor da nova loja, que não poderá deixar de prosperar. Os nossos desejos é que isto aconteça não só a esta, mas a todas.»

Das primeiras capas de partituras editadas pela “Sassetti & C.ª”

                                               1853                                                                                          1855   

 

                                              1860                                                                                          1861

 

O “Novo Guia do Viajante em Lisboa e seus Arredores” de .J.Bordalo, em 1863, anunciava

1865

Mas, quanto a músicas, já em 5 de Julho de 1872 a concorrência “apertava”, neste anúncio no “Diario Illustrado”

A casa prosperou, e Sassetti foi progressivamente alargando o seu comércio, tornando-se também Editor. Estabeleceu uma oficina de gravura, pelo processo de calcografia, e fez publicar grande quantidade de obras em todos os géneros, especialmente para piano e para canto. As edições impressas na casa “Sassetti & C.ª” eram perfeitas e nítidas, e idênticas às melhores que no seu tempo vinham do estrangeiro. Graças a essa vantagem, e também à concorrência que faziam os editores “Lence & Viuva Canongia” (Viuva Canongia, ex “J.J. Canongia & Comp.ª”), estabelecidos na Rua Nova do Almada, e “José de Figueiredo - Antiga Casa Ziegler”, estabelecida na Rua Nova do Carmo, cujas publicações eram litografadas, o comércio da Música entre nós viveu e prosperou quase independente da indústria estrangeira.

“J.J. Canongia & Comp.ª” 

 

“Lence & Vª Canongia”

A propósito da qualidade das publicações da casa "Sassetti & C.ª" o livro “Diccionario Biographico de Musicos Portuguezes” de Ernesto Vieira, já atrás mencionado,  ao referir-se à vida do desenhador litógrafo José Adrião de Figueiredo, que tinha uma loja na mesma Rua Nova do Carmo, relatava:
«Causou-lhe prejuizo o seu competidor Sassetti, que em 1848 se lhe estabeleceu defronte e procurou dar ás suas publicações a mais bella aparência, com o que adquiriu a supremacia.»

                           1892                                                               1894                                                             1895

No início do século XX, a “Sassetti & C.ª” era representante em Portugal da editora italiana “C. Ricordi & Cte” de Milão, servindo de intermediário no aluguer de partituras de ópera para o “Teatro Nacional de São Carlos”, actividade que assegurava a viabilidade económica da empresa. Em meados do século XX funcionava, nesta empresa, uma escola denominada “Viveiro Musical”, cujo responsável e professor era Gonçalves Simões.

                                                     1901                                                                                           1906

 

1913

                                                                                          1924

  

1927

 

Stand da “Sassetti & C.ª” no “I Salão de Outono de Elegância Feminina e Artes Decorativas Voga”, em 1928

O sector do grupo “Sassetti & C.ª” dedicado à edição de música impressa, afirmou-se como uma das mais importantes editoras de música do País desde o início do séc. XX, não só pela quantidade de obras editadas, como pela continuidade do seu movimento editorial, dando sequência ao projecto iniciado em meados do séc. XIX. Esse movimento editorial abrangeu vários domínios:

- Música ligeira: edição dos números de sucesso do teatro de revista, do cinema e da rádio. Nos autores mais representados incluem-se Alves Coelho, Belo Marques, Nóbrega e Sousa, Joaquim Luís Gomes, Tavares Belo, Raul Ferrão, Frederico de Freitas, Ferrer Trindade e António Melo. As obras eram quase exclusivamente para voz e piano, destacando-se em todas as edições o relevo dado aos intérpretes, entre os quais se podem citar Max, Francisco José ou Tony de Matos, Rui de Mascarenhas, Alberto Ribeiro ou Luís Piçarra. Os géneros incidem sobretudo sobre o fado, bolero,  tango marcha popular e outras canções. A maior parte destas obras data das décadas de 40 e de 50 do século XX, contando-se por largas centenas. Estas partituras eram ilustradas por artistas plásticos como Almada Negreiros ou Stuart de Carvalhais.
- Música erudita: predominou a edição de música para piano, em segundo plano para voz e piano, e uma reduzida incidência na música para conjunto, raramente mais de dois instrumentos. Os autores mais representados foram Viana da Mota, David de Sousa, Óscar da Silva, Luís de Freitas Branco, Cláudio Carneiro, Hernâni Torres, Tomás de Lima ou Armando José Fernandes, e diversos autores estrangeiros, principalmente do romantismo.
- Didáctica ou Teoria Musical: incluiu livros de teoria e de solfejo de Artur Fão, bem como a «transcrição fácil» de obras para piano, revistas e dedilhadas por Campos Coelho. A qualidade da impressão foi sempre boa, o que contrasta com a qualidade do papel, que no entanto teve a vantagem de tornar as edições mais acessíveis. A “Sassetti & C.ª” teve ainda a representação de casas estrangeiras, nomeadamente das que editaram compositores.

Salas de Música em casas particulares, em 1933

            Casa de D. Ema Fonseca da Câmara Reis                              Casa de D. Sarah da Mota Ferreira Marques

 

                                             1930                                                                                            1932

     

Algumas capas de partituras de músicas editadas pela “Sassetti & C.ª”

                              1921                                                        1928                                                         1930

                              1931                                                        1933                                                         1939

                              1943                                                          1947                                                        1956

Em 1962, e depois de estar sediada na Rua do Carmo, 56 em Lisboa, cerca de 100 anos, mudar-se-ia para Av. Visconde de Valmor, 20-B. A sua loja da Rua do Carmo viria a ser ocupada pela loja “Materna” inaugurada em 18 de Dezembro de 1963. A “Sassetti & C.ª” ainda viria a mudar mais uma vez de instalações, para a Rua Nova do Almada, 60-62. Nos anos 80 do mesmo século, tinha lojas na Rua Castilho e no “Centro Comercial das Amoreiras”.

Depois da primitiva designação “Sassetti & Cª”, passaria a “Sassetti & C.ª, Lda.” Entretanto em 1968, era fundada a empresa "Guida de Música - Sociedade Difusora do Disco", por António Marques de Almeida e Maria Elvira de Sousa, com sede na Rua Tomás Ribeiro, em Lisboa, tendo como objecto social «o exercício do comércio de discos de gramofone, bem como os outros artigos directa ou indirectamente ligados à reprodução musical escrita ou sonora». Esta empresa viria a adquirir a “Sassetti & C.ª, Lda.” em 1970.

                                             1973                                                                                          1975

  

Depois destas empresas se terem juntado às “Organizações Zip-Zip”, dá-se a fusão das três, nos últimos meses de 1973, e é criada a "Sassetti, Sociedade Portuguesa de Música e Som, S.A.R.L.", com um capital social de 8.000 contos (8 milhões de escudos, tinha como objecto social «a edição e comércio de discos fonográficos e o comércio de todos os artigos ligados à produção musical escrita ou sonora.» Tinha como administrador-delegado da Sassetti, António Marques de Almeida, e a restante administração era composta por Francisco Reis Granadeiro e Carlos Martinez Gil.

Anúncio por ocasião dos 125 anos da Sassetti, em 1973

                                              1971                                                                                           1975                    

 

A "Sassetti - Sociedade Portuguesa de Música e Som, S.A.R.L", seria mais uma vítima do pós 25 de Abril de 1974. Em Março de 1975 entrava num regime de autogestão, durante a qual a produção discográfica cairia significativamente, o que conduziu ao seu colapso comercial. As alterações verificadas na editora, sobretudo ao nível da produção fonográfica, aproximam o percurso da mesma ao furor revolucionário que afetou várias empresas nesse período. Porém, os fonogramas editados neste período permitem igualmente aceitar uma continuidade e possível reforço, sobretudo no que diz respeito ao campo da “música ligeira” e dos “discos falados”, na linha editorial anterior ao 25 de Abril e na proeminência de repertório e intérpretes da canção de protesto. Apesar de José Mário Branco ter abandonado a editora pouco depois do seu regresso a Portugal e de José Jorge Letria não ter chegado a acordo para gravação de discos, a empresa editará diverso repertório musical criado nesse período assim como de poesia e fonogramas de documentos falados.

O seu riquíssimo espólio seria votado ao esquecimento ao longo de toda a década de 80 do século XX. Quando a empresa volta a ser gerida pelos seus proprietários em 1990, o seu espólio e catálogo viria a ser comprado, em 1991, pela editora "Strauss" , com loja na Rua do Carmo 60-62.

Em 1993 Nuno Rodrigues funda a “Companhia Nacional de Música”. Como empresa editora, produtora e distribuidora de fonogramas e videogramas musicais, tem como missão a produção, valorização e divulgação de obras de âmbito cultural. Em 2003 adquire a editora “Strauss”, que detinha já o catálogo das extintas “Sassetti” e “Zip-Zip”, representando nomes fundamentais da música portuguesa, que lhe permite a produção de edições especiais e uma forte aposta no tratamento do Fado.

Loja da “Companhia Nacional de Música”, na rua Nova do Almada, onde esteve instalada a última loja da “Sassetti”

 

 

Com esta aquisição a “Companhia Nacional de Música” tornar-se-ia proprietária  da loja “Strauss” da Rua Nova do Almada, inicialmente da “Sassetti & C.ª, Lda.”, sendo actualmente a loja de música mais antiga do país.

fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian (Estúdio Mário Novais), Hemeroteca Municipal de LisboaArquivo Municipal de Lisboa, Do Porto e Não Só, Biblioteca Municipal de Alpiarça, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, IÉ-IÉ, Biblioteca Nacional de Portugal

Sem comentários: