3 de maio de 2015

Pastelaria Benard

A “Pâtisserie Benard” foi fundada por Élie Benard, na Rua do Loreto, próximo do Calhariz, em 1868. Em 1902, pertença da firma “E. Benard & Cª.”, passa para as mãos  do filho de Élie Benard, Casimiro Benard, e de seus dois irmãos Pedro e Elias Benard, mudando as suas instalações para a Rua Garrett 104 a 106, local onde ainda hoje permanece. De referir que a “Pâtisserie Benard” veio ocupar o estabelecimento que até então tinha albergado a confeitaria “Gratidão”, à qual  me referirei mais à frente.

“Pâtisserie Benard” na Rua Garrett, ao lado da entrada do “Hotel Borges

Pastelaria Benard.1

Élie Benard viria a ser um dos sócios fundadores da associação da classe dos confeiteiros cujos estatutos viriam a ser aprovados pelo Rei D. Manuel II em 9 de Junho de 1908.

Outra loja da firma familiar “E. Benard & Cª.” , e que existiu até aos anos 90 do século XX, foi o “Paraiso das Creanças”. Tratava-se de uma loja de brinquedos, roupas e acessórios para crianças. Depois do negócio ter sofrido um grave revés no período que se seguiu ao grande incêndio do Chiado de 25 de Agosto de 1988, foi forçado a fechar.

“Patisserie Benard” e “O Paraiso das Creanças”, ambos da mesma firma familiar, em 23 de Dezembro de 1903

Fabrico das brôas de Natal na fábrica da “Pâtisserie Benard” no Natal de 1912

Interior nos anos 30 do século XX

Menus

 
                                                                                                                      gentilmente cedido por Carlos Caria

Em 1914 encerra para obras de melhoramentos e re-decoração, reabrindo em Novembro do mesmo ano. A propósito da reabertura deste estabelecimento a revista “Illustração Portugueza” noticiava:

No edifício da “Pâtisserie Benard” tinha existido, até 1902, outra confeitaria igualmente célebre: a “Gratidão”, que se tinha especializado em fruta cristalizada. As enormes cozinhas desta confeitaria viriam a ser aproveitadas para a nova “Benard”, tendo os actuais proprietários aproveitado o espaço ocupado por elas, para ampliação dos salões, no início dos anos 80 do século XX.

Anúncio à confeitaria “Gratidão” no jornal “Diario Illustrado” de 23 de Dezembro de 1901

“Pastelaria Benard”, ao lado da renovada entrada do “Hotel Borges”, nos anos 70 do século XX

“Pastelaria Benard”, actualmente

 

fotos in:  Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Hemeroteca DigitalArquivo Municipal de Lisboa

Sem comentários: