31 de maio de 2015

Concurso de Cavalos de Carroça

O “Concurso de Cavallos de Carroça” teve lugar no Campo Grande, em Lisboa no dia 1 de Outubro de 1911, promovido pela Câmara Municipal de Lisboa, premiando cavalos e carroças.

Concentração no Campo Grande


O jornal “A Vanguarda” noticiava assim este Concurso:

«O sr. Francisco Grandella, em uma das ultimas sessões camararias, propuzera, que, no intuito de incitar os tratadores ao bom cuidado dos cavallos de carroça, se fizesse um concurso com premios monetarios.
Assim, hontem, na rua Occidental do Campo Grande, justamente no mesmo local onde ha meses se celebrou o concurso de raça bovina, junto ao Chalet das Canas, realizou-se o concurso de cavallos de carroças, estando o terreno dividido para vehiculos tirados por um cavallo, por uma parelha e para vehiculos ornamentados.
O local estava ornamentado com bandeiras e a philarmonica de Aveiras de Cima, com os seus pittorescos trajos de campino, executava alguns numeros de musica.»

Notícia e pormenores na véspera do Concurso, no jornal “A Vanguarda”



Compareceram 114 carroças e o serviço de manutenção da ordem foi assegurado por guardas da 3ª esquadra e por uma força de soldados da "Guarda Nacional Republicana".

Início do desfile que se realizou entre o Campo Grande e o Rossio


 Cavalos “reabastecendo” num bebedouro e concentração final


4 comentários:

Anónimo disse...

Nas notícias do jornal "a vanguarda" postadas fala-se na "avenida almirante reis"; ora, a avenida almirante reis só nasceu (digamos assim) em 1910, assumindo antes do golpe de 1910 o nome de "avenida dona amelia". portanto, a minha teoria é que as referidas notícias não corresponderão ao mesmo "concurso de cavallos de carroça" de "1 de outubro de 1908" e que é o sujeito principal do corpo do post.

José Leite disse...

Caro(a) Anónimo(a)

Tem toda a razão.

Não sei onde estava com a minha cabeça quando escrevi 1 de Outubro de 1908, em vez de 1911 !!! ...

Acontece. Mas não devia acontecer .... Pelo facto peço desculpa.

Os meus cumprimentos

José Leite

João Celorico disse...

Caro José Leite,
Este “post”, intrigou-me e fez-me procurar as origens da Guarda Republicana. Cheguei a pensar que o jornalista, levado pelo seu fervor “vanguardista” estaria já a pensar no que aí viria e teria cometido um perigoso lapso. Afinal, não foi e … acabou tudo em bem, apesar de ser assunto de “carroceiros”!
O bebedouro de “reabastecimento”, ainda tenho ideia dele, ou talvez dum outro mas em pedra. Era no largo de Santos! O alto muro que se vê, seria pertença do antigo convento de Santos-o-Velho e onde hoje é a Embaixada de França.
A foto da concentração final, penso que terá sido no Cais do Sodré ou talvez mais certo, exactamente defronte da Avenida D. Carlos I, junto ao que foi o cais da Insulana. Um quiosque suponho que ainda lá se encontra (ou talvez não, devido às obras na rua da Cintura).

Cumprimentos,
João Celorico

José Leite disse...

Caro João Celorico

O local da concentração final, não consegui definir, mas dentro das suas hipóteses inclino-me mais para "defronte da Avenida D. Carlos I".

Grato pelo seu comentário

Cumprimentos
José Leite