2 de janeiro de 2014

Livraria Ática

A “Editoral Ática, Limitada”, foi fundada em 1930 por Luiz de Montalvôr (1891-1947). De seu nome Luís Filipe de Saldanha da Gama da Silva Ramos, foi poeta , ensaísta, editor. A “Editoral Ática, Limitada” rapidamente se afirmou no panorama editorial português pelo aparato gráfico das suas edições, e pela criteriosa selecção de títulos, passando a designar-se “Ática S.A.R.L. Casa Editora” nos anos 40 do século XX.

Luiz de Montalvôr e Fernando Pessoa



Na primeira semana de Dezembro de 1946, inaugura a livraria “Ática” na esquina da Rua do Carmo com a Rua Garrett, em Lisboa. O projecto desta livraria ficou a cargo do arquitecto Alberto Pessoa. No seu interior podia ser apreciado um painel de azulejos encomendado ao mestre Jorge Barradas.

Publicidade e artigo no “Mundo Literário” em Dezembro de 1946

     

Mais tarde esta livraria mudar-se-ia para a Avenida da Liberdade. Anteriormente esta loja tinha sido ocupada pelos Secção de Turismo dos Caminhos de Ferro Alemães entre 1942 e 1946 e anteriormente por uma loja de roupa feminina e, anteriormente a esta, outra que dava pelo topónimo “Cardoso dos chapéus”, que só vendia chapéus para senhora sendo a sua primeira designação comercial “Cardoso & Cardoso”, mais tarde abreviado para “Pepe Cardoso, Lda.”
 
                              “Cardoso dos Chapéus”                                “Secção de Turismo dos Caminhos de Ferro Alemães”

 

O exterior da livraria “Ática” ficaria igual à fotografia anterior, onde estava instalada a Secção de Turismo dos Caminhos de Ferro Alemães
Luiz de Montalvôr - um dos poetas editor, colaborador e fundador da revista “Orpheu” em 1915 - não foi muito feliz na meteórica passagem pela “Editorial Ática”, que dirigia, pelo Chiado.

Orpheu

Em 1942, Inicia a publicação das “Obras Completas de Fernando Pessoa”. Numa primeira fase dirigidas por Luiz de Montalvôr e João Gaspar Simões, a organização da obra foi posteriormente continuada sob a direcção de alguns dos nomes mais relevantes da cultura portuguesa, tais como Jacinto do Prado Coelho, Joel Serrão, Georg Rudolf Lind, David Mourão-Ferreira, Vitorino Nemésio ou Jorge de Sena. Editora exclusiva da obra de  Fernando Pessoa, de 1942 até à sua entrada no domínio público, foi a “Editorial Ática” a empresa responsável pela divulgação nacional e internacional da obra de Fernando Pessoa.
Em 1946, publicou as “Obras Completas de Mário de Sá-Carneiro”, e, mais tarde, a “Colecção Poesia”, cuja capa - desenhada por Almada Negreiros - se tornou uma referência da iconografia portuguesa do século XX.

 
 
 
 

Publicou “Noite de Satan”, “A Caminho” e “Arte Indígena Portuguesa”, em colaboração com Diogo de Macedo. Parte da sua obra poética foi publicada por várias revistas, entre as quais se destacam além da “Orpheu” e “Presença”, a “Exílio”, a “Athena” e “Seara Nova”.
Luiz de Montalvôr, viria a morrer afogado no rio Tejo, a 2 de Março de 1947, num acidente de viação que vitimou, igualmente, a sua mulher e o filho único de ambos, ficando ligada a uma fase pouco lucrativa da firma. Acidente? Suicídio? «Façamos com a dor, sem um queixume, / as guirlandas formosas desta vida!».

Artigo no “Mundo Literário” no nº 44 de 8 de Março de 1947

Março 1947

24 de Dezembro de 1947


Depois da livraria “Ática” ter encerrado na Rua Garrett, em 1950, o espaço seria ocupado pela “CRGE - Companhias Reunidas de Gaz e Electricidade” actual EDP, até ao grande incêndio do Chiado ocorrido em Agosto de 1988, em que o edifício foi totalmente destruído.
Actualmente, e depois da reconstrução da zona atingida pelo incêndio do Chiado em 1988, o estabelecimento tem uma aparência, e não só, completamente diferentes, e é ocupada pela loja da cadeia “Nespresso”.

Loja da “Nespresso”
 
 

Fernando Pessoa diria sobre o poeta Luiz de Montalvôr:
«Não nos ilude Luís de Montalvor na expressão essencial dos seus versos: vive num mundo seu, como todos nós; mas vive com vida num mundo seu, ao passo que a maioria, em verso ou prosa, morre o universo que involuntariamente cria.»
 
fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Hemeroteca Digital, Arquivo Municipal de Lisboa

4 comentários:

Manuel Tomaz disse...

Conheci, nos anos 60/70, uma livraria Ática, na Rua Alexandre Herculano, perto da Avenida da Liberdade que editava, entre outros, a obra de Luís de Stau Monteiro. Não sei, contudo, se tinha relação com a antiga Ática.
Os meus cumprimentos, amigo José Leite.
Manuel Tomaz

José Leite disse...

Caro Manuel Tomaz

Não lhe sei responder, sinceramente. Talvez o proprietário dessa livraria tenha utilizado o mesmo nome.

Os meus cumprimentos

José Leite

APS disse...

Caro José Leite

Quero felicitá-lo pela excelente inovação praticada no seu blogue.
Assim, torna a vida mais fácil aos leitores (pesquisadores), que necessitam de retirar alguns elementos do passado.
Sempre em progresso, bem-haja!
Um abraço amigo
APS

José Leite disse...

Caro Agostinho

É sempre um prazer "ouvi-lo" por "estas bandas".

Grato pelo seu comentário

Um abraço

José Leite