17 de julho de 2013

Estação Central dos Correios de Lisboa

A “Estação Central dos Correios de Lisboa”  esteve instalada muitos anos no Terreiro do Paço, e albergava os seguintes serviços: estação de tratamento de correspondência postal; central telegráfica; central telefónica; ambulância-postal; boletineiros e carteiros; estação de correio.

Estação Central dos Correios de Lisboa

  

                                 

Estação Central do Terreiro do Paço em 1913

 

 

                        Antiga balcão dos correios                                          Antiga balcão dos telégrafos e telefones

 

A Estação dos CTT do Terreiro do Paço, em 1940 é alvo de obras de melhoramentos e é radicalmente transformada. O desenho do mobiliário e balcões poder-se-á atribuir a sua autoria ao arquitecto Adelino Nunes, também funcionário dos CTT,  pela corência com o trabalho que desenvolvia à altura na Comissão dos Novos Edifícios dos CTT iniciado em 1937, com o Plano Geral de Construções Telegráficas e Telefónicas dos CTT.

                     

 

Em 1958 viriam a ser criadas, em Lisboa, seis zonas de distribuição postal indexadas a uma Central de Recolha e Tratamento de correspondência postal. Nesta Central, as correspondências postais eram separadas pelas referidas zonas e, posteriormente,entregues nas distribuidoras, onde era feito o trata-mento e distribuição ao domicílio pelos giros da área,ficando, desse modo, toda a cidade abrangida por medidas que proporcionavam, aos utentes, um serviço mais rápido e eficaz.

                           Secção dos Boletineiros                                                              Central Telegráfica

 

Central telefónica

                                

Tratamento de correspondência postal

  

fotos in: Fundação Portuguesa das Comunicações, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Hemeroteca Digital

A rede de distribuição de Lisboa, reorganizada em 1958, servia seis zonas postais: Lisboa 1 (Centro de Arroios), Lisboa 2 (Centro do Terreiro do Paço), Lisboa 3 (Centro da Junqueira), Lisboa 4 (Benfica), Lisboa 5 (Alvalade) e Lisboa 6 (Poço do Bispo).

As instalações desta “Estação Central dos Correios”, viria a ser desactivada e desocupada a maior parte das suas instalações, restando,hoje, apenas a “Estação dos CTT do Terreiro do Paço”. O restante espaço é hoje o “Pátio da Galé” e é composto por um espaço interior com cerca de 1500 metros quadrados, onde anteriormente era ocupado por um parque de viaturas dos Correios, e por uma zona exterior de esplanadas.

 

Bibliografia: “Comunicar na República - 100 Anos de Inovação e Tecnologia”.  Fundação Portuguesa das Comunicações

3 comentários:

Laurus nobilis disse...

É espantoso o que mudou nestes quase 80 anos, no que toca à fluidez das comunicações. "Acelerámos" de tal forma que hoje, escrever um postal ou uma carta parece qualquer coisa de estranho. Nas férias, faço questão que os meus filhos escrevam pelo menos um postal para os avós. É a forma que arranjei de tentar pôr algum travão em tanta velocidade...

José Leite disse...

«Laurus nobilis»

Tem toda a razão no que escreve.

Ao analisar estas fotos, vemos a quantidade de pessoas que eram necessárias, ao contrário de hoje, em que poucas máquinas substituem dezenas de empregados.

Os meus cumprimentos

José Leite

Manuel Tomaz disse...

Já lá vão uns bons anos, assisti a uma Senhora, turista Inglesa, com os seus 80 anos, nesta mesma estação da Praça do Comércio, com uma mão cheia de postais e uma folha de etiquetas com endereços feitos em computador, que teria trazido da sua terra, colando-os nos respetivos postais. Isto é que era organização...e trabalho para os funcionários dos CTT. Ainda não havia SKYPE...