9 de abril de 2013

Teatro Académico de Gil Vicente

O "Teatro Académico de Gil Vicente", inicialmente com a designação de "Teatro de Gil Vicente", foi inaugurado na cidade de Coimbra em 1961, e inserido no complexo da "Associação Académica de Coimbra".

Foi construído entre 1959 e 1961, e projectado pelos arquitectos Alberto José Pessoa e João Abel Manta, tendo sido remodelado em 1993 pelo arquitecto André Santos

                                

 

Conta com uma Plateia com 772 lugares e um Balcão com 328 lugares. Possui ainda sala de ensaios e bar que por vezes se transforma em "Café-Teatro".

Ao longo dos anos, aqui se têm realizado inúmeros ciclos, festivais e espectáculos de teatro, dança, cinema, música clássica e contemporânea, jazz, ópera. E no "Café-Teatro", bem como nas entradas principais, inúmeras exposições de artes plásticas, fotografia, arquitectura, apresentação de livros, recitais de poesia, leituras, tertúlias e debates aí têm sido realizadas.

 

 

O "Teatro Académico de Gil Vicente", propriedade da "Universidade de Coimbra" é gerido actualmente pela "Fundação Cultural Universidade de Coimbra" criada em 2007 e que integra igualmente o "Estádio Universitário", o "Auditório da Reitoria" e o "Palácio de São Marcos".

                                       1985                                                                                              1987

            

                                      "Café- Teatro"                                                                           Foyer e Bar                           

 

fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Biblioteca Nacional de Portugal

2 comentários:

Rogerio Nazaré disse...

Excelente blog, bem construido; descobri o seu blog sem querer numa pesquisa por Salas de Cinema antigas de Lisboa e arredores; fiquei maravilhado (lol. será a palavra suficiente) quando vi o conteúdo da minha terra, Cascais, da minha infancia em Lisboa e de todo o nosso Portugal. Parabéns abraço

José Leite disse...

Caro Rogério Nazaré

Muito grato pelas suas simpáticas e elogiosas palavras.

Os meus cumprimentos

José Leite