15 de julho de 2012

Auto - Escadas dos Bombeiros

A primeira auto-escada hipomóvel (de tracção animal) extensível que se conhece é de fabrico inglês e foi construída em 1844 pela casa Merryweather & Sons Limited, fundada em Londres em 1692.

                    Escada de 1860                           Escada utilizada pelos Bombeiros Municipais de Lisboa

   

Em Portugal foi em 1871 que o patrão maquinista da "Inspecção de Incêndios de Lisboa", João Fernandes, planeou e executou  a escada «Fernandes» cuja novidade, certamente imposta pela pequena largura das ruas, era ser, além de extensível também giratória, permitindo o arvoramento com a viatura em qualquer posição relativamente à fachada. Foram de tal forma reconhecidas as suas vantagens que o comércio de Lisboa prontamente se quotizou para que pudesse ser fabricada nova escada, a qual entrou ao serviço em 1873. Diziam os antigos que o fabricante das escadas «Magirus», de visita a Lisboa, teria visto num fogo no Rossio a escada «Fernandes» a manobrar e que dali teria recebido a i deia para modificar as escadas «Magirus», que só a partir de 1886 passaram a ser giratórias.

                                                         Escada hipomóvel «Fernandes» de 1871

                                      

                                             

Em 1889 o Infante D. Afonso adquiriu, para oferecer aos Bombeiros Voluntários da Ajuda de que era 1º Comandante, a primeira escada «Magirus», de manobra manual e de tracção hipomóvel (animal), a qual ficou no palácio, onde tinha quartel.

Em 1891 já existiam cinco escadas «Magiruz», número que até 1905 foi elevado a onze. Muitos serviços prestados por estas viaturas foram recordados ao longo de anos, sendo de registar o trágico acidente ocorrido no fogo do Limoeiro em 3 de Maio de 1919, no qual, por uma escada se ter partido, provocou a morte do bombeiro municipal Guilherme da Silva.

                                                             Escada hipomóvel «Magirus» em 1890

                                  

    Explosão na Companhia do Gás em 1914                             Incêndio na Avenida 24 de Julho em 1917              

 

Em 1950 ainda restavam quatro escadas deste tipo, que eram utilizadas pelos serviços municipais de iluminação e de jardins. A que foi adquirida pelo Infante D. Afonso e as escadas «Fernandes» pertencem actualmente ao museu dos "B.S.B. - Batalhão de Sapadores Bombeiros".

O fabrico de escadas mecânicas automóveis foi iniciado em 1904, com a adopção da máquina a vapor para o comando da escada.

                           

Em 1907 a escadas passaram a ser de impulsão eléctrica e em 1914 foi construída a primeira escada mecânica, em que o comando directo da engrenagem da escada era feito pelo próprio motor da viatura. Só em 1925 porém é que foram adquiridas, para Lisboa, duas viaturas deste tipo com 30 metros, sucedendo-se a compra de mais quatro de 25 metros, duas em cada um dos anos seguintes. Estas seis escadas mecânicas, 2 de 30 metros e 4 de 25 metros, fabricadas em madeira da fábrica «Magirus», ainda eram utilizadas nos anos 50 do século XX tendo custado cada uma perto de 160 contos (800,00€).

                       Auto-escada «Magiruz»  do BSB                                           Mecanismo de escada «Metz»

     

                  Combate a um incêndio na Praça Luís de Camões com auto-escadas «Magiruz»

    

                                                                Auto-Escada «Magiruz»

                         

                                                  Desfile na Avenida da Liberdade em 1931

                    

Nos anos 50 do século XX as auto escadas mecânicas já eram em aço desde 1930 sendo as 17 utilizadas em 1950 de 52 metros.Os fabricantes europeus mais prestigiados neste equipamento eram a «Magiruz» de Ulm  e a «Metz» sediada em Kalsruhe. A Câmara Municipal de Lisboa tinha comprado uma auto-escada «Metz» que entrou ao serviço em 8 de Novembro de 1949 e outra «Magiruz» entrada ao serviço em 1 de Novembro de 1950.

                      Dois modelos de auto-escada «Magiruz» adquiridas nos anos 50 do século XX

 

Teste no Palácio da Ajuda em 1950                    Incêndio no Hotel Franckfort, a 15 de Julho de 1950

  

A partir de 1951 o plano de reapetrechamento no "BSB - Batalhão de Sapadores Bombeiros" comportou oito auto-escadas mecânicas destinadas às seguintes áreas:

Sede da 1ª Companhia       -  Escada de 30 metros  -  Avenida D. Carlos I, Palácio de São Bento, Rua da Escola Politécnica, Príncipe Real e Bairro Alto;
Estação da 1ª Companhia  -  Escada de 25 metros  -  Zona da Baixa
Posto da 1ª Companhia      -  Escada de 25 metros  -  Campo de Ourique, Estrela, Amoreiras e Campolide;
Sede da 2ª Companhia       -  Escada de 30 metros  -  Santo Amaro, Ajuda, Belém e Alcântara;
Sede da 3ª Companhia       -  Escadas de 32 e 37 metros  -  Avenidas Novas e Gomes Freire;
Estação da 3ª Companhia  -  Escada de 25 metros  -  Bairro de Alvalade e Lumiar;
Sede da 4ª Companhia       -  Escada de 25 metros  -  Graça, Bairro das Colónias, Penha de França
, Almirante Reis e Morais Soares;
Estação da 4ª Companhia  -  Escada de 25 metros  -  Zona oriental da cidade

As duas auto-escadas mecânicas de 30 metros, que entretanto já tinham sido adquiridas em 1950 estavam ao serviço das sedes das 1ª e 3ª Companhias.

         Desfile na Avenida da Liberdade em 1959                                         Na rua Garrett em 1967

                 Outra utilização da auto-escada mecânica num festival do BSB em 22 de Junho de 1951

                                

               Auto-escadas «Magiruz» de 1977                                     Auto-Escada «Mercedes -Benz»

 

fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Hemeroteca Digital

2 comentários:

José disse...

A foto da primeira auto escada Magirus no Marquês de Pombal é de minha autoria e a cores bem como a da auto escada Mercedes de Colares

José Leite disse...

Caro José

Agradeço a partilha

Cumprimentos