Restos de Colecção: Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos

Notícias do Blog

A publicação de novos artigos foi retomada, com a resolução do problema que afectava o editor "Open Live Writer" // Lembro que a página "Ano ou Data de Inaugurações e Eventos", disponível no menú "Dados Históricos", é actualizada regularmente com novas entradas // Para conhecer as novas funcionalidades e aceder a novas plataformas de informação neste blog, consulte a "Folha Informativa", disponível na barra lateral    //    Para melhor conhecimento destas alterações aconselha-se, igualmente, uma visita, ou revisita, ao "Guia do Blog", disponível tambem na mesma barra lateral

22 de junho de 2012

Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos

Em Setembro de 1932 , Salvador Sá Nogueira, Administrador Geral do Porto de Lisboa, expunha a Duarte Pacheco, Ministro das Obras Públicas e Comunicações, a necessidade e urgência de se dotar o porto de Lisboa, de instalações condignas ao serviço de passageiros e, em Novembro do mesmo ano a AGPL - "Administração Geral do Porto de Lisboa"  apresentava ao ministro os ante-projectos de duas gares a construir em Alcântara e na Rocha do Conde de Óbidos. A estimativa para o custo total, compreendendo cerca de 750 contos (3.750 € x coef. de actualização 174,44) para a construção de uma pequena estação ferroviária, rondaria cerca de 5.000 contos (25.000 €  x coef. de actualização 174,44).

                                                             Cais da Rocha do Conde de Óbidos em 1904

                                 

                                 

Um posto de desinfecção foi aqui criado nos finais do século XIX, tendo assim terminado a situação de navios fundeados a meio do rio Tejo, impedidos de atracar sempre que havia suspeita de epidemia a bordo.

                                                       Primeira ponte de acesso ao cais da Rocha em 1906

                                 

O voto unânime do "CSOP - Conselho Superior de Obras Públicas" reprovou este ante-projecto das duas gares lançado pela AGPL ainda em 1932. A urgência inadiável ia para a construção de uma gare marítima central, a implantar nos terrenos situados entre Santos e o Terreiro do Paço e próximos à já existente Estação do Cais do Sodré (inaugurada em 1928). Em Fevereiro de 1933, Duarte Pacheco reconhecendo a necessidade da existência da gare central n no Cais do Sodré considera imprescindível a construção da gare de Alcântara, e até ao final desse mesmo ano concorda com a proposta de Salvador Sá Nogueira para a construção da terceira gare na Rocha do Conde de Óbidos.

               Cais do Sodré em 1867 com o "Grand Hotel Central"                             Cais do Sodré em 1877

          

Depois de abandonado o projecto para a gare central no Cais do Sodré por motivos geotécnicos (terrenos movediços) e de complexidade de engenharia e custos, os projectos para as duas gares encomendados ao arquitecto Porfírio Pardal Monteiro em 1934, só seriam finalizados em 1936 . Estes projectos ficariam «na gaveta» até Março de 1938 altura em que o Presidente do Conselho Dr. Oliveira Salazar, traçaria como linha prioritária a construção de pelo menos uma gare a estar concluída para as celebrações do duplo centenário em 1940.

        

        

                                     Local da implantação futura da Gare. Posto de desinfecção e cais acostável

                                 

A primeira a ser concluída foi  a "Gare Marítima de Alcântara" a 7 de Julho de 1943. Em 19 de Junho de 1948 seria inaugurada no extremo oposto (nascente) do cais, a "Gare Marítima da Rocha Conde de Óbidos", como atrás referido, também projecto do arquitecto Porfírio Pardal Monteiro e com pinturas, também, de José de Almada Negreiros no seu interior.

                                  

         

         

Relembro que o projecto comtemplava também uma galeria colocada à altura do primeiro piso, com a largura de 11 metros e numa extensão de 1 quilómetro, que uniria a "Gare Marítima de Alcântara" à "Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos". Deste modo conseguir-se-ia «uma grande estação constituída por dois postos de embarque e desembarque» que foi abandonado por questões orçamentais.

        

                                                                                       Interior da Gare

                             

A "Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos" passou a ser a gare exclusiva da "CCN - Companhia Colonial de Navegação", como se pode observar na foto seguinte de 4 de Julho de 1952 na qual se identificam os paquetes "Pátria", "Vera Cruz", e no interior da doca o paquete "Serpa Pinto".

                                                      

                                 

Como a gare de Alcântara, também a gare da Rocha do Conde de Óbidos, dispõe de dois pisos, sendo a distribuição de funções e serviços idênticas à sua congénere, e a decoração e disposição interiores em tudo idênticas. Contudo nesta gare, além de um bar, a gare foi contemplada com um restaurante com capacidade para 100 pessoas. O edifício apresentava um comprimento total de 130 metros com uma área de 2.300 metros quadrados, ocupando uma área portuária de 8.000 metros quadrados.

Esta Gare foi muito utilizada para o embarque de tropas portuguesas para o Ultramar durante a guerra colonial, como a foto a seguir documenta.

                                                Embarque de tropas no paquete "Império" da CCN em 1970

                                 

Tal como a "Gare Marítima de Alcântara" os interiores desta foram, também, enriquecidos como pinturas de Almada Negreiros. Os painéis encontram-se no segundo piso, com temáticas sobre trabalhos marítimos e portuários, homens e mulheres fortes, quer na faina, quer no lazer: varinas, burguesia, emigração e povo comum, todos estão ali representados; o desenho é cubista à moda de Picasso.

         

         

Fotos in: Arquivo Municipal de Lisboa, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Hemeroteca Digital, Blogue dos Navios e do Mar

Sem comentários: