16 de julho de 2010

Cidade de Braga (2)

Na continuação do meu “post” de 30 de Junho de 2010 com o mesmo nome, publico mais umas fotos da cidade de Braga e do local do Santuário do Bom Jesus.

                       Largo Barão de S. Martinho                                                  Edifício dos Correios

 

                         Praça da República                                                              Mercado Municipal

O Santuário do Bom Jesus do Monte ou Santuário do Bom Jesus de Braga é um local religioso e turístico localizado em Tenões, uma freguesia dos arredores de Braga, Portugal. O Bom Jesus possui uma grande igreja, uma escadaria por onde passa a Via Sacra do Bom Jesus, uma mata (Parque do Bom Jesus), alguns hotéis e um elevador hidráulico centenário. A primeira referência conhecida ao Santuário do Bom Jesus do Monte em Braga data de 1373. Ao longo dos anos foram sendo construídas sucessivas igrejas, e feitos melhoramentos em toda a estância.

         Comboio a vapor  Braga - Bom Jesus                       Estação do elevador funicular Braga - Bom Jesus

 

                   Estrada Braga - Bom Jesus                                            Santuário do Bom Jesus                       

 

                              Grande Hotel                                                                  Hotel do Parque

                              Hotel do Sul                                                                   Hotel Sul-Americano

 

15 de julho de 2010

Antigos Aviões Militares (2)

                  Maurice-Farman Tipo, de 1912                                         Breguet BR 14-A2, de 1918

                       Potez 25-A2, de 1931                                                  North- American T-6, de 1947

 

               Beech C54H Expeditor, de 1952                                           Hidroavião Gruman G21-B, de 1952


Fotos in: Força Aérea Portuguesa

A "FAP - Força Aérea Portuguesa" só foi criada em 27 de Junho de 1952, pelo que para informação mais completa aqui fica:

Até 27 de Junho de 1952, o ramo aéreo das forças armadas portuguesas estava dividido em dois ramos:

Aeronáutica do Exército

1914 - 1918: Serviço Aeronáutico Militar
1918 - 1924: Serviço da Aeronáutica Militar
1924 - 1952: Arma de Aeronáutica Militar

Aeronáutica Naval

1917 - 1918: Serviço de Aviação da Armada
1918 - 1931: Serviços da Aeronáutica Naval
1931 - 1952: Forças Aéreas da Armada
1952 - Força Aérea Portuguesa (fusão das Forças Aéreas da Armada e da Arma de Aeronáutica Militar)

14 de julho de 2010

Cacilheiros (4)

                           Ainda a vapor ….                                                                    de 1943 …

 

                de 1960 …. no cais de Cacilhas                                                         de 1962 ….

                               Cais de embarque no Cais do Sodré e à direita o Hotel Central

                          

                                                        Cais de embarque, em Cacilhas

 
Fotos in: Arquivo Fotográfico da CML

Aeroporto de Lisboa (4)

Mais algumas fotos do Aeroporto de Lisboa

                             

                               

O chamado corredor das companhias aéreas que era perpendicular ao balcão de recepção e informações do aeroporto, e que pode ser visto na última foto

                             

                              
Fotos in: Hemeroteca Digital

13 de julho de 2010

Cervejas em Portugal

Tudo terá começado em 1836, altura em que foi fundada em Lisboa a Fábrica de Cerveja da Trindade, instalada na Rua  da Trindade. A esta, várias outras se seguiram, propiciando um clima de grande concorrência entre as pequenas empresas produtoras de cerveja.

Cervejaria “Leão d’Ouro”, em Lisboa em 1865

                                                                                           1899

                 Fábrica de Cervejas Trindade em 1949          Carro de distribuição Cerveja Jansen, fornecedor da casa real

        Fáb. Cerveja ´Trindade (R. da Trindade 1949)       

À data da 1ª Guerra Mundial, existiam 5 fábricas de cerveja no continente português: três em Lisboa, duas no Porto. A “Companhia União Fabril Portuense” foi constituída em 1889, na sequência da fusão de 7 pequenos produtores de cerveja da cidade do Porto. Explorava as duas fábricas existentes nessa cidade: a fábrica da Piedade, que seria o estabelecimento fabril de um dos participantes na fusão e, no qual se terá centralizado a produção da nova empresa, e a fábrica do Leão, que entrou em funcionamento já em 1914.

Na cidade de Lisboa existiam três empresas cervejeiras, cada uma explorando uma fábrica: a “Jansen”, a “Estrela” e a “Portugália”. Tratavam-se de fábricas montadas durante o século XIX que, à data da 1ª Guerra Mundial, teriam dimensão inferior à sua congénere do norte de Portugal. Na zona centro, só se atingiu uma maior concentração empresarial com a formação da “Sociedade Central de Cervejas”, em 1934; sendo que ela iria reunir as três fábricas de Lisboa e uma outra localizada em Coimbra.

                          Fábrica de Cerveja Portugália                                              Título de 10 acções, de 1946  

            

Quase um século depois, mais propriamente em 1934, nascia a Sociedade Central de Cervejas (SCC), fruto da associação da Companhia Produtora de Malte e Cerveja Portugália, da Companhia de Cervejas Estrela, da Companhia da Fábrica de Cerveja Jansen e da Companhia de Cervejas de Coimbra

                                   Fábrica de Cerveja Germana na rua de Arroios, em Lisboa no ano de 1908

                                            

                 Fábrica de cerveja Estrela na Avenida Sacadura Cabral ao Campo Pequeno, em 1970

               

                                                     

Em 1968 começa a produção na fábrica de Vialonga, a maior unidade fabril do país dedicada à produção de cerveja, garantindo a cobertura total dos mercados interno e externo. A nova fábrica, inaugurada a 22 de Junho, representou um investimento de 360 mil contos e tinha capacidade para produzir 110 milhões de litros de cerveja, 21 milhões de litros de refrigerantes e 50 mil toneladas de malte.

Em 1975 a Sociedade Central de Cervejas é nacionalizada e da restruturação deste sector nascem 2 grandes grupos: a Centralcer – Central de Cervejas EP, englobando a Sociedade Central de Cervejas e a Cergal, e a Unicer que falarei no fim.

                                                                Sociedade Central de Cervejas, em Vialonga

        

        

                                             Marcas de cervejas criadas pela Companhia de Cervejas de Coimbra.

                          

São fundadas a Copeja, em Santarém, onde é produzida a marca Clok, e a Marina fabricada na Fábrica Imperial, em Loulé.

                                  

Cerveja Laurentina fundada em 1932 em Moçambique, CUCA - "Companhia União de Cervejas de Angola, Sarl", participada pela SCC – Sociedade Central de Cervejas  e pela CUFP - "Companhia União Fabril Portuense" em Angola.

                                    

A Skol produzida pela SCC sob licença. O nome Skol deriva da palavra sueca Skal (que se pronuncia Skol). Significa em Inglês "Cheers"

                                 

A marca Sagres foi criada em 1940 por altura da Exposição do Mundo Português. Em 1941 criaria a Imperial uma marca que ainda hoje é sinónimo de cerveja em barril e servida a copo. De referir que o slogan “Cerveja Sagres a sede que se deseja” foi criado por José Carlos Ary dos Santos.

Cerca do final do século, em 1890, as sete fábricas existentes no Porto foram integradas numa única Empresa, a “CUFP - Companhia União Fabril Portuense de Cerveja e Bebidas Refrigerantes - S.A.R.L.”, que se manteve em laboração até finais de 1977, ou seja, por quase um século. A empresa foi o resultado da fusão de sete fábricas de cerveja, 6 do Porto e uma de Ponte da Barca. Eram elas:  Fábrica da Piedade, Fábrica do Mello, M. Achvek & Cia., J.J. Chentrino &Cia, J.J. Persival & Cia e M. Schereck e a Fábrica de Ponte da Barca.

                                                                                         1890

                                           

                     “CUFP - Companhia União Fabril Portuense de Cerveja e Bebidas Refrigerantes - S.A.R.L.”    

                                      

Nos anos 50 comercializava as marcas: Cristal, Super Bock, Invicta Negra, Invicta Cola, Além-Mar e Zirta.

Esta  veio a constituir a Unicer - União Cervejeira, E.P., resultado da fusão da CUFP (Leça do Balio) com a COPEJA (Santarém) e com a IMPERIAL (Loulé) e ainda com a RICAL (fábrica de refrigerantes de Sta. Iria da Azóia). Esta nova sociedade ficou sediada nas instalações da ex-CUFP, em Leça do Balio.

                     Instalações em 1904 na Rua Júlio Diniz, e publicidade às suas cervejas: Cristal e Além-Mar

                 

Remonta a 1872 a primeira fábrica de cerveja da Madeira, pela iniciativa de Henry Price Miles, cabendo a João Melo Abreu idêntica diligência, em 1892, nos Açores. Estas fábricas estão na origem das que, actualmente, laboram naquelas regiões autónomas, a Empresa de Cervejas da Madeira,Lda.e sua cerveja “Coral” e a Fábrica de Cervejas e Refrigerantes João de Melo Abreu, Lda. esta última comercialza a “Melo Abreu Especial” e a “Melo Abreu Munich”.

                                                        

fotos in: Hemeroteca Digital, Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian, Arquivo Municipal de Lisboa