20 de junho de 2010

Pontes da Cidade do Porto

Até ao dia 22 de Junho de 1963 foram construídas 5 pontes ( se considerar a Ponte das Barcas 1 só…) a atravessar o Rio Douro entre a cidade do Porto e Vila Nova de Gaia. Vou enumerar as destinadas à travessia pedonal, de mercadorias e rodoviária primeiramente, e para o fim a ferroviária.

A primeira ponte sobre o rio Douro, ligando a cidade do Porto e Vila Nova de Gaia, foi a “Ponte das Barcas” que não era mais que um  passadiço assente em barcaças. Ao longo dos tempos existiram várias “pontes das barcas” construídas para determinados propósitos, como a rápida deslocação de contingentes militares. Mas a que foi construída com carácter mais definitivo foi a a que foi projectada por Carlos Amarante e inaugurada a 15 de Agosto de 1806.

Ponte(s) das Barcas 

No entanto, por regra a travessia do Douro fazia-se com recursos a barcos, jangadas, barcaças ou batelões.

Foi nesta ponte que ocorreu o “Desastre da Ponte das Barcas” em que morreram cerca de 4.000 pessoas ao tentarem fugirem, da cidade do Porto para Vila Nova de Gaia, das baionetas do exército francês comandado pelo Marechal Nicolas Soult, a quando das Invasões Francesas, no dia 29 de Março de 1809.

 
Foto in: In-Senso

Reconstruída após esta tragédia a ponte iria ser utilizada de novo até ser substituída pela Ponte Pênsil em 1843. De relembrar que os portugueses, ajudados pelos britânicos, viriam a derrotar estas tropas francesas na Batalha do Douro em Maio de 1809, obrigando os franceses a retirara para a Galiza.

Ponte Pênsil ou Ponte D. Maria II, assim designada por ser uma ponte sustentada por cabos ou tirantes. A sua construção foi iniciada em 1841 para comemorar o aniversário da coroação da Rainha D. Maria II, pelo que esta ponte ficou primeiramente a chamar-se de Ponte D. Maria II, sendo mais conhecida por “Ponte Pênsil”.

Com pilares de cantaria de 15 metros de altura, 150 metros de comprimento e 6 de largura, a ponte assegurava um melhoramento no tráfego entre as duas margens.

 
Foto in: Biblioteca Nacional Digital                                         Foto in: Skyscrapercity


Após ter sido testada com 105 toneladas de peso de 100 pipas de água, manteve-se em funcionamento durante 45 anos, até ser construída ao seu lado a “Ponte Luíz I”, e tendo sido desmantelada em 1887. Ainda hoje restam os pilares e as ruínas da casa da guarda militar.

Ponte Luís I é uma ponte construída com estrutura metálica mediante o projecto do engenheiro belga Teófilo Seyring (sócio de Gustave Eiffel e também autor da Ponte Dona Maria Pia). , entre os anos 1880 e 1887.  Verdadeira filigrana de ferro que pesava no seu conjunto 3.045 toneladas. A ponte ficou iluminada por meio de artísticos candeeiros de gás, 24 no tabuleiro superior, 8 no inferior e 8 nos encontros.

Devido ausência do Rei Dom Luís I na inauguração, a população do Porto decidiu, em resposta a este acto desrespeitoso, retirar o "Dom" do respectivo nome. Logo a ponte chama-se "Luíz I" e não "Dom Luíz I", como erradamente a designam.

                                                                    “Ponte Luiz I” em 1887

                          

Duas fotos de 1954       

 

Actualmente o tabuleiro superior desta ponte serve o Metro do Porto, e o inferior para trânsito de peões e automóveis.

Nos anos 40 verificou-se que a circulação na Ponte Luiz I , começava a fazer-se com grande dificuldade, pelo aumento demográfico nas duas margens e do trânsito rodoviário. Por isto o Governo em 1955 aprovou o projecto do engenheiro Edgar Cardoso da nova ponte sobre o rio Douro de seu nome “Ponte da Arrábida”.

Ponte da Arrábida teve um custo de cerca de 240 mil contos, cerca de 1.200.000 €, e em Março de 1957 foram iniciadas as obras. Na sua construção foram gastos 20 mil toneladas de cimento, 58.700 m³ de betão armado, 2.250 toneladas de aço nos varões e 2.200 toneladas de aço laminado. Em 1963 esta ponte possuía o maior arco betão armado, de uma ponte, no Mundo.

                                                          Fases das obras na Ponte da Arrábida

 

A 22 de Junho de 1963 é  inaugurada a Ponte da Arrábida, no mandato de Nuno Pinheiro Torres, dispondo de quatro elevadores para que os peões pudessem vencer a distância de setenta metros do rio ao tabuleiro, facilitando em muito a travessia pedonal.

                             

Deixei para o fim  a 3ª ponte  (1ª ferroviária) a ser construída entre a cidade do Porto e Vila Nova de Gaia, a Ponte Dona Maria Pia …. por ser exclusivamente de utilidade ferroviária e que foi inaugurada em 4 de Novembro de 1877.

Ponte Dona Maria Pia, assim chamada em honra de Dona Maria Pia de Sabóia, é uma obra de grande beleza arquitectónica, projectada pelo Engenheiro Théophile Seyrig (o mesmo que viria a projectar a Ponte Luíz I) e edificada, entre 5 de Janeiro de 1876 e 4 de Novembro de 1877,  pela empresa “Eiffel Constructions Métalliques”. Foi a primeira ponte ferroviária a unir as duas margens do Rio Douro.

                                                       Fases de construção na Ponte Dona Maria Pia


Estas 2 Fotos in: Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Gulbenkian

Esta ponte, em ferro, apresenta um tabuleiro com 352 metros de extensão; o arco sob o tabuleiro, de forma bi-articulada, tem 160 metros de corda e 42,60 metros de flecha. A altura, a partir do nível das águas, é de 61 metros.

Foi inaugurada a 4 de Novembro de 1877 por Dom Luiz I e Dona  Maria Pia de Sabóia, com a presença da banda de música de Espinho.

                           
                                       Foto in: Skyscrapercity

1 comentário:

Anónimo disse...

sei que existe um conjunto de 50 imagens que a Câmara do Porto lançou na inauguração da ponte da Arrábida. se alguém souber onde arranjar a Colecção agradecia que me informasse.
Atentamente
João Pinheiro Torres
everard71@hotmail.com